Pachelbel - Canon In D Major

domingo, dezembro 17, 2017

Jesus vem a Terra no Natal - Gerson Monteiro









Jesus vem a Terra no Natal



Gerson Monteiro 



“Vinde a mim todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei”. 


Esse convite de Jesus há mais de dois mil anos mantém a nossa esperança nos momentos difíceis que passamos neste mundo. 


Quantas vezes buscamos a presença amorosa do Cristo na hora da dor, e Dele sempre recebemos forças para carregar a cruz com ânimo e coragem.


Independente desse convite, segundo Chico Xavier, Jesus vem a Terra, entre 23 horas do dia 24 e uma hora do dia 25 de dezembro, quando comemoramos o natalício Dele. 


Segundo Chico, muitos espíritos se preparam durante dez anos para acompanhar o Mestre nessa peregrinação, recolhendo criaturas anônimas na desencarnação, como a registrada pelo poeta Cornélio Pires, publicada no livro Antologia mediúnica do Natal.



Eis a poesia recebida por Chico Xavier, intitulada Natal de Maria:


“Noite... Natal!... Na hora derradeira, 

Sozinha num brejão, com sede e fome, 

Morre jogada à febre que a consome

A velhinha Maria Cozinheira...

Lembra o Natal dos tempos de solteira,

Olha a esteira enrolada e o chão sem nome,

Mas, de repente, vê que tudo some,

Está livre do corpo e da canseira!..

Ouve cantos no céu que se descerra:

— "Glória a Deus nas alturas!... Paz na Terra...

 Maria, sem querer, sobe espantada...

 Nisso, irrompe do Azul divina estrela...

 Alguém surge!... É Jesus a recebê-la

No sublime clarão da madrugada”.





Outra de Cornélio Pires, Despedida de Vital:


“Lua cheia... Na choça a que se apega, 

Morre Vital, velhinho, olhando o morro... 

Por prece, escuta a arenga do cachorro, 

Ganindo nas touceiras da macega. 

Pobre amigo!... Agoniza sem socorro, 

Chora lembrando o milho na moega... 

Oitenta anos de lágrimas carrega

Na carcaça jogada ao chão sem forro. 

Suando, enxerga um moço na soleira. 

“ Eu sou leproso...”— avisa em voz rasteira, 

Mas diz o moço, envolto em luz dourada: 

“Vital, eu sou Jesus! Venha comigo!...”

 “ E o velho sai das chagas de mendigo

Para um carro de estrelas da alvorada”.


Numa dessas visitas ao nosso mundo no dia de Natal, Jesus acolheu a alma de Mariazinha, menina que morreu com fome, cansada e doente, estirada numa calçada de uma cidade brasileira. 

Ao assistir a esse fato na vida espiritual, a poetisa cearense Francisca Clotilde fez a sua narrativa em versos pela mediunidade de Chico Xavier, sob o título “Conto de Natal”, publicado no livro Antologia Mediúnica do Natal.






Conto de Natal

Francisca Clotilde Barbosa Lima



A noite é quase gelada.

Contudo, Mariazinha

É a menina de outras noites

Que treme, tosse e caminha...

Guizos longe, guizos perto...


É Natal de paz e amor.

Há muitas vozes cantando:

– “Louvado seja o Senhor!”



A rua parece nova

Qual jardim que floresceu.

Cada vitrina enfeitada

Repete: “Jesus nasceu!”



Descalça, vestido roto,

Mariazinha lá vai...

Sozinha, sem mãe que a beije,

Menina triste sem pai.



Aqui e ali, pede um pão...

Está faminta e doente.

– “Vadia, saia depressa!”

É o grito de muita gente.



– “Menina ladra!” – outros dizem.

– “Fuja daqui, pata feia!

Toda criança perdida

Deve dormir na cadeia.”



Mariazinha tem fome

E chora, sentindo em torno

O vento que traz o aroma

Do pão aquecido ao forno.



Abatida, fatigada,

Depois de percurso enorme,

Estira-se na calçada...

Tenta o sono, mas não dorme.



Nisso, um moço calmo e belo

Surge e fala, doce e brando:

– Mariazinha, você está dormindo

ou pensando?



A pequenina responde,

Erguendo os bracinhos nus:

– Hoje é noite de Natal,

Estou pensando em Jesus.



– Não lhe lembra mais alguém?

Ela, em lágrimas, disse:

– Eu penso também, com saudade,

Em minha mãe que morreu...



– Se Jesus aparecesse,

Que é que você queria?

– Queria que ele me desse

Um bolo da padaria...



Depois de comer, então –

e a pobre sorriu contente –

Queria um par de sapatos

E uma blusa grande e quente.



Depois... queria uma casa,

Assim como todos têm...

Depois de tudo... eu queria

Uma boneca também...



– Pois saiba, Mariazinha,

Eu lhe digo que assim seja!

Você hoje terá tudo

Aquilo que mais deseja.



– Mas, o senhor quem é mesmo!

E ele afirma, olhos em luz:

– Sou seu amigo de sempre,

Minha filha, eu sou Jesus!...



Mariazinha, encantada,

Tonta de imensa alegria,

Pôs a cabeça cansada

Nos braços que ele estendia...

E dormiu, vendo-se outra,

Em santo deslumbramento,



Aconchegada a Jesus,

Na glória do firmamento.

No outro dia, muito cedo,

Quando o lojista abriu a porta,

Um corpo caiu, de leve...

A menina estava morta.



Obs: Segundo informações do médium Francisco Cândido Xavier este fato verídico, ocorreu na cidade de Fortaleza/CE.



XAVIER, Francisco Cândido ; VIEIRA, Waldo . Antologia Mediúnica do Natal . Espíritos Diversos.



Espiritualidade em Gotas / Ep.26 - Poder Oculto

sábado, dezembro 16, 2017

Oração do Natal - Maria Dolores





Oração do Natal

Maria Dolores



Natal volta de novo, em nova melodia
Espalhando na Terra a Celeste Alegria...


Agradecemos, Jesus, a concessão
Do mais formoso dia!...


Aos estudos do tempo me consagro,
Noto que a Inteligência
Nunca nos deu tanta ciência
A fim de te servir e acompanhar...
As grandes máquinas voam, do solo para o ar...


E me ponho a pensar:
Senhor, agora, o que mais necessitamos,
De mais força, domínio, ouro e poder,
A fim de que vivamos de conquista em conquista,
Tendo somente, em vista, escravizar e escravizar?!...


Entretanto, Jesus, agora venho
Pedir-te ao coração talvez ainda amarrado ao lenho:
Dá-nos mais amplo entendimento à verdade,
Para seguir contigo
Amado e Excelso Amigo,
No sustento da paz e na luz da humildade!...



Xavier, Francisco Cândido. Pelo Espírito Maria Dolores. Mensagem recebida pelo médium Francisco C. Xavier, na noite de 5/10/87, no Grupo Espírita da Prece, em Uberaba, Minas Gerais. Extraído da revista Reformador de Dezembro de 2005.

Espiritualidade em Gotas / Ep. 25 - A arte de acasalar-se.

sexta-feira, dezembro 15, 2017

Oração do Natal - Maria Dolores





Oração do Natal

Maria Dolores



Natal volta de novo, em nova melodia
Espalhando na Terra a Celeste Alegria...


Agradecemos, Jesus, a concessão
Do mais formoso dia!...


Aos estudos do tempo me consagro,
Noto que a Inteligência
Nunca nos deu tanta ciência
A fim de te servir e acompanhar...
As grandes máquinas voam, do solo para o ar...


E me ponho a pensar:
Senhor, agora, o que mais necessitamos,
De mais força, domínio, ouro e poder,
A fim de que vivamos de conquista em conquista,
Tendo somente, em vista, escravizar e escravizar?!...


Entretanto, Jesus, agora venho
Pedir-te ao coração talvez ainda amarrado ao lenho:
Dá-nos mais amplo entendimento à verdade,
Para seguir contigo
Amado e Excelso Amigo,
No sustento da paz e na luz da humildade!...



Xavier, Francisco Cândido. Pelo Espírito Maria Dolores. Mensagem recebida pelo médium Francisco C. Xavier, na noite de 5/10/87, no Grupo Espírita da Prece, em Uberaba, Minas Gerais. Extraído da revista Reformador de Dezembro de 2005.

Espiritualidade em Gotas / Ep. 24 - É preciso nascer de novo.

quinta-feira, dezembro 14, 2017

Minha Nada Mole Encarnação - E jesus?

Minha Nada Mole Encarnação - Liberdade

Recordação do Natal - Emmanuel





Recordação do Natal

Emmanuel



Não permitas que o júbilo do Natal vibre em teu coração, à maneira de uma lâmpada encarcerada...



Toma o facho de luz, que a mensagem do Céu acende ao redor de teus passos e estende-lhe a claridade sublime.


Não te detenhas.


Avança, com alegria e humildade.



Se a fé resplandece em teu santuário interior, que importam a ventania e o temporal?



O sol, cada manhã, penetra os recôncavos do abismo, sem contaminar-se.



Segue, invencível em tua esperança e sereno em tua coragem, sob a inspiração da fraternidade e da paz!...



Sê um raio estelar da sabedoria, para a noite da ignorância; sê a gota de orvalho da consolação e do carinho, que diminua a tensão do sofrimento, por onde passes; sê o fio imperceptível da compreensão e do auxílio, que dissipe o nevoeiro da discórdia; sê a frase simples e boa, que ajude e reconforte, onde o fogo do mal esteja crestando as flores do bem...



Um sorriso realiza milagres.



Um gesto amigo ampara a multidão.



Com algumas palavras, o Cristo articulou o roteiro regenerativo do mundo e, com a bênção da própria renúncia, retificou os caminhos da Humanidade.



Renovam-se, no Natal, as vibrações da Estrela do Amor, que exaltou, com Jesus, a glorificação a Deus e ao reino da boa vontade, entre os homens.



Jamais ensurdeçamos, ante o apelo celestial que se repete.



Ampliemos a comunhão fraterna e louvemos a cooperação, porque, anualmente, o Cristo nos requisita à verdadeira solidariedade, a fim de que, em nos tornando mais irmãos uns dos outros, possa Ele nascer, em espírito, na manjedoura do nosso coração, transformando em incessante e divino Natal todo os dias da nossa vida.




XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Emmanuel. Do livro Antologia Mediúnica do natal. Espíritos Diversos. FEB.

Espiritualidade em Gotas / Ep. 23 - Quem criou a miséria social?

quarta-feira, dezembro 13, 2017

Café com Luz - O amor a si mesmo

Pelos Esquecidos Da Terra - Gérson Simões Monteiro







Pelos Esquecidos Da Terra


Gérson Simões Monteiro



Jesus! 


Lembrando o Teu convite endereçado a todos nós, há mais de dois mil anos: “Vinde a mim todos vós que estais aflitos e sobrecarregados que eu vos aliviarei”, aproveitamos a oportunidade para fazer-te um pedido em nome dos “esquecidos”, por ocasião de Tua descida ao nosso mundo, entre os dias 24 e 25 de Dezembro, quando comemoramos o Teu aniversário natalício.

*

Como sabes Senhor, eles se encontram em toda parte, a começar pelas crianças que acordam famintas, esquecidas pela sociedade indiferente à sua sorte, e que por isso acabam encontrando a desencarnação na cruel desnutrição.


Rogamos pelas mães abandonadas por parceiros desalmados; vencidas pela miséria, elas esquecem de si mesmas para poderem sustentar os filhos e acabam vitimas da traiçoeira tuberculose.

*

Pedimos também pelos pais esquecidos, Senhor, que tudo fazem pelos filhos, sacrificando-se inúmeras vezes para o bem-estar deles, e depois são relegados a um segundo plano na velhice, razão pela qual acabam desencarnando apunhalados moralmente pela ingratidão daqueles de quem tanto esperavam no inverno de suas vidas.

*

Jesus! É certo que não temos a pena de morte em nosso país.


Mas há coisa pior do que as vítimas do esquecimento do Poder Público, que apodrecem nas prisões sem as mínimas condições de se reabilitarem perante a vida social?


É por isso que intercedemos em favor desses relegados dos poderes constituídos, abandonados nos cárceres, para que sejam restabelecidos a dignidade e o respeito que devemos a esses irmãos em humanidade.

*

Médico de nossas almas!

Rogamos pelos enfermos, esquecidos nas filas dos hospitais, para serem atendidos não se sabe quando, e pelos que são deixados nos corredores à míngua de socorro e atendimento, em flagrante desrespeito às suas dores e, sobretudo, à sua inconteste condição humana.

*

Governador do Planeta Terra!


Embora tenhas sido relegado ao esquecimento pelos Doutores da Lei, pelos poderosos de Tua época e pelos falsos líderes religiosos, jamais esqueceste dos humildes, dos pecadores, dos sofredores de toda a sorte, pois sempre acolheste a todos eles através do Teu Verbo tocado de infinito amor e profunda compreensão.

*

Além de endereçarmos esta rogativa pelos esquecidos deste mundo, rogamos também em favor, das crianças que estão ainda por nascer, pois existem parlamentares querendo assassiná-las, por meio de aprovação de uma lei que permitirá, infelizmente, a prática do aborto indiscriminado.


Ou seja: “esquece-las” pelo resto da vida.

*

Neste NATAL, vem Senhor, amparar todos os esquecidos que se encontram aflitos e sobrecarregados neste planeta, a fim de aliviares suas dores causadas pela ambição dos insaciáveis, pela indiferença dos egoístas e pela falta de compaixão dos insensíveis.

*


Vem, portanto, Senhor, confortar o coração dos que foram vencidos pela miséria, pela fome, pela enfermidade, pelas injustiças, porque eles não possuem voz para aclamar por piedade aos “vencedores” da Terra!






Espiritualidade em Gotas / Ep. 22 - O Espírito e a Biologia Evolutiva.

terça-feira, dezembro 12, 2017

O Nome de Jesus - Maria Dolores





O Nome de Jesus

Maria Dolores


Natal é a luz de Deus que nos alcança,
Em casa, triste mãe exclama, reverente:
"Jesus, salva meu filho infeliz e doente,
Em Ti, Senhor, é a nossa última esperança!..."


De vizinha mansão, ouve-se voz pungente:
"Jesus, rogo socorro!... Sei que a morte avança..."
"Jesus, cura meu pai!..." - dizia uma criança,
Mostrando o coração terno e inocente.


Um Juiz, num salão, consulta um livro e pensa:
"Que faria Jesus, lavrando esta sentença?..."
Jesus!... -Um nome só, em milhões de louvores!...


Pastor, que Deus nos concedeu para milênios!...
Natal é a gratidão ao mais sábio dos gênios,
Que nos conduz à paz e afasta as nossas dores.



Xavier, Francisco Cândido. Pelo Espírito Maria Dolores. Soneto recebido pelo médium Francisco Cândido Xavier, pela mediunidade auditiva, em Culto do Evangelho no Lar, em sua residência, na noite de 5 de setembro de 1996, em Uberaba, Minas Gerais.


Espiritualidade em Gotas / Ep. 21 - Paixão é um bem ou um mal?

segunda-feira, dezembro 11, 2017

Natal do Coração - Meimei






Natal do Coração 


 Meimei


Abençoadas sejam as mãos que, em memória de Jesus, espalham no Natal a prata e o ouro, diminuindo a miséria e a necessidade, a fome e a nudez!...



Entretanto, se não forem iluminadas pelo amor que ajuda sempre, esses flagelos voltarão amanhã, como a erva daninha que espreita a ausência do lavrador.



Não retenhas, assim, a riqueza do coração que poder dar, tanto quanto o maior potentado da Terra!



Deixa que a manjedoura de tua alma se abra, feliz, ao Soberano Celeste, para que a luz te banhe a vida.



Com Ele, estenderás o coração onde estiveres, seja para trocar um pensamento compassivo com a palavra escura e áspera ou para adubar uma semente de esperança, onde a aflição mantém o deserto!


Com Ele, inflamarão de júbilo os olhos de algum menino triste e desamparado e uma simples criança, arrebatada hoje ao vendaval, pode amanhã ser o consolo da multidão...


Com Ele, podes oferecer a bênção da tolerância aos que trabalham contigo, transformando o altar de teu coração em altar de Deus!...



Que tesouro terrestre pagará o gesto de compreensão no caminho empedrado, o sorriso luminoso da bondade no espinheiro da sombra e a oração do carinho e do entendimento no instante da morte?



Natal no espírito é a comunhão com Ele próprio.



Ainda que te encontres em plena solidão na manjedoura do infortúnio, sai de ti mesmo e reparte com alguém o dom inefável de tua fé.
Lembra-te de que Ele, em brilhando na manjedoura, tinha consigo apenas o amor a desfazer-se em humildade, e, em agonizando na cruz, possuía apenas o coração, a desfazer-se em renúncia...



Mas, usando tão somente o coração e o amor, sem uma pedra onde repousar a cabeça, converteu-se no Salvador do Mundo, e, embora coroado de espinhos, fez-se o Rei das Nações para sempre.





XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Meimei. Do livro Antologia Mediúnica do Natal. Autores Diversos. FEB.


Espiritualidade em Gotas / Ep. 20 - Esmola é Caridade?

domingo, dezembro 10, 2017

Minha Nada Mole Encarnação - Tempo

Indagação de Natal - Joanna de Ângelis









Indagação de Natal

Joanna de Ângelis



Estes são outros tempos, não muito diferentes daqueles, os tempos nos quais Ele nasceu.


Há também predomínio da força e do esmagamento dos ideais, ganância e loucura nos quais os homens se locupletam, vitimados em si mesmos.


Não obstante, há glórias do amor e do sacrifício, da abnegação e da renúncia.


Milhões de vidas que se estiolam na fome, na miséria moral e econômica, aguardam que Jesus volte a nascer, a fim de poderem respirar e viver, adquirindo a dignidade que lhes têm sido negada pelos enganados-enganadores, ora guindados ao poder temporal.


Imprescindível que cada homem se pergunte o que tem feito em favor de si mesmo, no sentido da sua realidade eterna e em relação ao seu próximo.



 
 
FRANCO, Divaldo Pereira pelo Espírito Joanna de Ângelis.