Pachelbel - Canon In D Major

sexta-feira, janeiro 31, 2014

Palavra - Momento Espírita




Palavra



Na maternidade de uma grande cidade, um fato começou a chamar a atenção de uma enfermeira.


Ela era encarregada do berçário e procurou o chefe da pediatria.


Havia notado que todos os bebês que ficavam no último berço, no canto, choravam menos. Dormiam melhor.


O que seria? O médico brincou com ela. Quem sabe seria um berço milagroso?


Talvez fabricado com madeira especial. Quem sabe haveria uma fada protetora? Como a enfermeira insistisse, ele disse que iria contratar um detetive.


Resolveu ele mesmo investigar. Descobriu que a enfermeira tinha razão.


Os bebês que ali ficavam eram sempre mais acomodados. Deveria existir uma causa. O posicionamento do berço. Melhor ventilação. Colchão mais confortável. Menos ruídos. Checou tudo.


As condições eram absolutamente iguais em todos os berços.


Pensou na alimentação. Negativo. Os bebês eram alimentados dentro de critérios e horários rigorosamente observados.


E se houvesse diferença de tratamento? Alguma enfermeira mais eficiente, encarregada daquele berço? Também não.


Todas se revezavam no atendimento. Intrigado, o pediatra passou a visitar o berçário em horários diferentes.


Foi numa noite, perto das vinte e duas horas, que encontrou a solução.


A enfermeira de plantão estava no seu posto. A encarregada da limpeza passava o pano molhado no chão.


Ficou observando-a. Era uma senhora idosa. A tarefa lhe era penosa.


Então, ficou em frente ao berço privilegiado, enquanto descansava.


Começou a conversar com o bebê: Vida dura, meu anjinho. Minhas costas doem como se tivessem recebido pauladas.


Gracinha! Você deve estar feliz. Sombra e água fresca. Comidinha na hora certa.


Durante vários minutos, ela conversou com o ocupante do berço. Depois, retornou ao serviço.


O médico sorriu. Tinha resolvido o enigma. Encontrara a fada.


No dia seguinte, as enfermeiras receberam importante orientação.


Deveriam conversar com os bebês, enquanto cuidavam deles. O privilégio de um berço estendeu-se por todo o berçário.


*   *   *


A palavra é um instrumento que poucos utilizam como deveriam.


A arte de falar é conquista. Deve-se dispor desse abençoado instrumento para preservar a vida. Para enriquecê-la de bênçãos.


A boa palavra consola. Também ampara. Ensina. Salva. Falar sobre o bem, o amor e a esperança. Propor alegria entre as criaturas.


Ensiná-las a adquirir segurança pessoal. Transmitir-lhes carinho e ternura.


Expunha conceitos de forma simples. Conteúdo profundo.


Por isso, até hoje, permanece atual e sensibiliza os que tomam contato com seus ditos.


Travemos relação de amizade com Jesus. Comuniquemo-nos com o próximo. Irradiemos alegria e paz pela palavra como ele fazia.


*   *   *


Não critiquemos. Abençoemos. Falemos auxiliando para o bem. Não discutamos. Demonstremos.


Não nos percamos em palavras vazias. Sirvamos sem reclamar.




Redação do Momento Espírita, com base no cap. O enigma do berço, do livro Encontros e desencontros, de Richard Simonetti, ed. Gráfica São João; no cap. 11, do livro Episódios diários e no cap. 4 do livro Momentos de iluminação, ambos pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. LEAL. Disponível em www.momento.com.br

quinta-feira, janeiro 30, 2014

Onde está você? - Momento Espírita




Onde está você?


Onde está você com seus pensamentos, neste momento?


Será que está presente na conversa com os amigos, ou está longe, viajando por lugares distantes?


Onde está sua felicidade agora?


Será que está junto de você, ou está longe, em objetos distantes, em pessoas que se foram, em bens materiais que você ainda não tem?


Onde está seu sorriso agora?


Está em seu rosto, estampando a sua alegria e confiança na vida?


Ou será que foi levado por alguém que não está mais aqui?


Será que seu sorriso ainda depende dos outros?


Onde está a sua vontade de viver, agora?


Está aí mesmo, dentro de você, chamando-o, a cada minuto, para as oportunidades, para viver os dias, ou está nas mãos de outras pessoas, e você está perdido sem saber para onde ir?


Quem é o dono da sua vida, da sua vontade e da sua motivação?


O que você precisa para ser feliz agora?


Um emprego? 


Será que você não consegue procurar um pouco mais? 


Quem sabe mudar os rumos? 


Ou procurar em lugares onde você nunca havia procurado antes?


Não coloque para si mesmo obstáculos demais!


Será que a felicidade está apenas na conquista de um emprego?


Talvez você precise de um amor.


Então cultive novas amizades! 


Lembre-se de que a amizade é a fonte do amor verdadeiro!


Procure se aproximar mais das pessoas, quem sabe!


Antes de querer ser amado, ame!


Onde está seu Deus agora?


Será que você já O descobriu dentro de você?


Será que você já O descobriu nas Leis maravilhosas que regem o Universo?


Na proteção que recebemos, nas chances, nos encontros, nas bênçãos da vida?


Será que você já O descobriu nas estrelas, nos mares, nos ventos, no perfume das flores?


Onde está você agora?


No curso mais seguro da vida, tendo sua embarcação sob controle? 


Ou está à deriva, distraído pelas ilusões que encrespam o oceano todos os dias?


Onde está você agora?


Buscando um sentido maior para tudo, buscando o crescimento espiritual, ou está preocupado com coisas tão pequenas, incomodado com problemas tão simples?


É tempo de saber onde realmente estamos.


É tempo de repensar muitas coisas, de dar um novo sentido a tudo, de redescobrir as coisas mais simples e possíveis, e recriar a vida, colocando-a em seu curso seguro.


Como nos ensinou o Mestre de Nazaré, onde estiver seu tesouro, aí estará também o seu coração.



*   *   *



         Por vezes, nossos olhares se perdem no espaço à procura de algo que se encontra bem perto de nós.


Outras vezes, permitimos que nosso sorriso siga atrelado ao passo de alguém que se afasta de nós...


Nossa alegria, tantas vezes, perde a força por causa de algo insignificante.


Às vezes, permitimos que a nossa vontade de viver se enfraqueça, vencida pelas ilusões e fantasias...


No entanto, para que não deixemos de viver o momento, intensamente, é preciso prestar atenção nas horas, no agora, no hoje, para que não deixemos escapar as mais excelentes oportunidades de construir nossa felicidade duradoura.


Pensemos nisso!



Redação do Momento Espírita, com base em texto de autoria ignorada. Disponível no livro Momento Espírita, v. 4, ed. FEP. Disponível em ww.momento.com.br.


quarta-feira, janeiro 29, 2014

Fé - Hammed






Hammed



Fé não é uma questão de conveniência. 


Fé não é uma muleta milagrosa. 


Fé não é satisfação de caprichos, mas “um meio de demonstrar as realidades que não se vêem”.


A fé a qual se referia Jesus Cristo é aquela que vibra no coração das criaturas que acreditam que Deus tudo vê e provê. 


Essa fé verdadeira, que respeita os ritmos e os ciclos naturais da vida, considera que tudo está certo e nada está fora dos domínios da Ordem Providencial.


Ter fé é aceitar a dor e a dificuldade em nossas vidas como pedidos de renovação. 


Ter fé é perceber as nossas limitações e, da mesma forma, as dos outros e perdoar sempre.


Nossa consciência de vida é diminuta e frágil. 


Como esperar que um paralítico possa caminhar por uma ladeira íngreme, repleta de fendas e pedregulhos, com precisão e agilidade, sem vacilar? 


É óbvio que o erro traz conseqüências para quem errou, mas a Vida Maior não tem como método de educação punir ou condenar. 


Ela visa apenas transformar a “energia do ato” na “consciência do ato”. 


Em outras palavras, quer que a criatura possa extrair do erro ensinamentos e que fique cada vez mais atento às leis que regem sua existência. 


Portanto, ter fé é aprender a nos perdoar e aos outros, para que possamos ser perdoados.


Ter fé é entender que não se consegue paz meramente pedindo, e sim fechando as portas das sensações exteriores a fim de penetrar no sentido interior – a intuição sapiencial.


Enfim, ter fé é compreender que “Deus está em tudo, e tudo está em Deus”, conforme legitimou Jesus Cristo: “Quem me vê, vê o Pai. 


Como podes dizer: Mostra-nos o Pai? 


Não crês que estou no Pai e o Pai está em mim?”. 


Ou mesmo, quando asseverou “Em verdade vos digo: cada vez que o fizestes a um desses meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizeste”.


Sobre isso também escreve Paulo de Tarso em I Coríntios, 15:28: “para que Deus seja tudo em todos”, pois, na realidade, o Criador Excelso está em todas as criações e criaturas, mas não se confunde com nenhuma delas, nem nelas se dissipa.





ESPÍRITO SANTO NETO, Francisco pelo Espírito Hammed. Um Modo de Entender, uma Nova Forma de Viver.

terça-feira, janeiro 28, 2014

Aura de Amor - Hammed





Aura de Amor


Hammed


Cada um de nós trás nas entranhas de si mesmo, a presença de Deus.


Pai por excelência, habita em cada criatura e, portanto, trazemos o selo divino impresso em nossa consciência, indicando Nossa Paternidade.


O reconhecimento da presença divina em nós e nos outros desabrocha, no indivíduo, o mais nobre dos sentimentos da alma, o amor, que se define como sendo a atmosfera de Deus em torno de nós próprios.


Portanto, ao enxergarmos a profundidade de cada criatura, identificaremos, ali, esta semente divina, espargindo vibrações de estreitamento dos laços afetivos, formando, assim, uma aura de amor e, em seguida, consciência profunda desta realidade ímpar.


Desta forma, seremos cada vez mais amorosamente condescendentes para conosco e para com os outros.



ESPÍRITO SANTO NETO, Francisco pelo Espírito Hammed. Mensagem recebida em 17/07/1996 na “Sociedade Espírita Boa Nova - Catanduva SP”.


segunda-feira, janeiro 27, 2014

Belo Planeta Terra - Hammed




Belo Planeta Terra

Hammed




Realmente, a Terra é um minúsculo grão de areia no imenso Cosmo Universal. 


Mundos incontáveis, estrelas de maior grandeza que o Sol, circulam pelos complexos interplanetários, e constelações inúmeras se encaixam em galáxias de milhares de anos-luz.


Assegura a ciência que a Via-Láctea possui mais de 200 milhões de estrelas espalhadas harmonicamente entre suas nebulosas, e que sua forma espiralada tem uma extensão aproximada de 100 mil anos-luz para ser percorrida de uma ponta para outra.


Vivemos num turbilhão de galáxias, somos viajores do espaço, habitantes do Universo em busca da perfeição, e o nosso destino é a felicidade plena.


Nosso planeta é a residência que nos acolhe atualmente; portanto, amá-lo e protegê-lo é o nosso lema.


A Terra, de uma beleza sem igual, é para nós outros, encarnados e desencarnados, domiciliados temporariamente neste orbe azulado, o nosso ninho de aconchego e progresso espiritual. 


Nossa concepção de beleza é ajustada às condições de evolução do planeta. 


O que vemos e sentimos está sintonizado com nosso modelo de “belo interior” e, por conseguinte, vislumbramos fora o que somos por dentro.


“A boca fala do que está cheio o coração”, disse Jesus, e nós completamos: os olhos vêem conforme nossa atmosfera interior. 


É por isso que alguns afirmam: este planeta é uma prisão; outros dizem porém: não, é um hospital; mais além outros asseguram: é um belo jardim de paz.


Tua casa psíquica determina tua existência, tua observação focaliza pântanos pestilentos ou fontes cristalinas, serpentes ou pássaros e, assim, diriges teu modo característico de ver, conforme teu modelo interior, materializando e evidenciando as coisas ou as pessoas fora de ti mesmo.


O mundo moderno coloca o pensamento ecológico como um dos meios para que os homens possam sobreviver no planeta, inter-relacionando perfeitamente a flora e a fauna existentes em nosso meio-ambiente. 


Tudo está integrado em tudo: as águas necessitam das plantas e vice-versa; os animais, das florestas; e os homens fazem parte desse elo ecológico, não como parte imprescindível, mas como parte integradora.


Allan Kardec, um dos precursores do pensamento ecológico, desde 1868, refere-se à Providência Divina como a atenção de Deus para com tudo e todos, definindo-a como a solicitude que “está por toda parte, tudo vê e a tudo preside, mesmo as menores coisas; é nisso que consiste a ação providencial”.


Transcorrido mais de um século, a humanidade continua estudando e observando essa “atenção celestial”, em que cada ser vivo do planeta se interconecta, sendo todos essencialmente necessários para a manutenção de todos, e aprendendo a ver a vida em suas harmoniosas relações de “auto-ajuda”, visto que submetida sempre a uma “Ação Superior e Inteligente”, que a todos provê.


Paralelamente, e em razão disso, se os rios e as florestas morrerem, os homens também perecerão de modo parcial.


Todos nós somos Natureza, somos vida em abundância.


Também tu és Natureza, e as varias moradas às quais se referia Jesus são hoje, pelo Espiritismo, levadas a outras tantas interpretações de maior compreensão e discernimento quanto ao modo de examinar e analisar a vida no planeta.


Ama a Terra! 


Ama a Natureza! 


Nosso mundo, nossa casa!




ESPÍRITO SANTO NETO, Francisco pelo Espírito Hammed. Renovando Atitudes.


domingo, janeiro 26, 2014

Orações encomendadas - Momento Espírita





Orações encomendadas



Quem sobe a montanha, respira o ar puro e descortina mais amplas paisagens.


Aquele que trabalha com perfumaria, se impregna das essências agradáveis dos aromas que manipula.


Quando alguém ora, comunga com Deus e experimenta renovação íntima e paz.


A oração ilumina o ser, acalma-o, renova-o, dá-lhe vida.


Orar é como arar. 

É produzir recursos valiosos de sustentação do equilíbrio.


Quando se transfere esse tesouro para outra pessoa realizá-lo, perde-se a energia que se irradia do Pai na direção de quem pede. 


Embora a onda mental daquele que ora alcance quem necessita, e a rogativa propicie socorro, o ato pessoal de orar é poderoso veículo de elevação espiritual.


Por tudo isso, habitua-te à oração para pedir, para louvar e para agradecer a Deus sempre.


No clima de harmonia que desfrutes, orando, roga pelo teu próximo, mas convida-o a orar também, a fim de que ele se impregne de luz.


Quem ora, se eleva a Deus e se penetra de bênçãos, exatamente como acontece com aquele que colhe flores perfumadas.


Quando se transfere a oportunidade de orar para outro, significa negar-se à conquista do equilíbrio emocional e da plenitude espiritual.


Orar é se banhar de claridade, colocando-se em sintonia com as chuvas de energias restauradoras.


Quem ora, se vitaliza e se enternece.


Jesus recomendou que orássemos uns pelos outros, num convite à solidariedade fraternal, a fim de que nos ajudemos através das ondas mentais da comunhão com Deus.


Quando a dor se apresenta sob qualquer forma, a oração é o veículo mais eficaz para suportá-la e superá-la. 


Além disso, ela cria um campo de paz, no qual a alma se fortalece e se inspira, melhor identificando os recursos próprios para propiciar a alegria e o bem-estar.


Não deixes de interceder pelo próximo através da oração. 


Todavia, não estimules as encomendas de preces, porque com essa medida os outros se sentirão desobrigados de orar, eles mesmos.


Desse modo, ora, ajudando aquele que sofre, no entanto, encoraja-o a sair do emaranhado de problemas psíquicos, orando, ele próprio, com o objetivo de restaurar-se.


Quando ores por alguém, envolve-o em ternura e envia-lhe pensamentos de bem-estar, participando emocionalmente da vibração que lhe destines.


Evita a repetição de palavras sem envolvimento emocional; a expressão maquinal, sem a onda do amor que ajuda.


Ao orares, abre-te a Deus. Doa-te de coração e de alma. Sentirás as dúlcidas respostas te impregnando de forças-luz que te vitalizarão por largo período.


*   *   *


Jesus nos ensinou pelo exemplo como se deve orar e porque se deve fazê-lo.


Sempre esteve buscando o Pai mediante a oração, que não transferiu para ninguém.


Dessa forma, ante as encomendas das preces por amigos ou conhecidos, orienta-os e convoca-os ao exercício de autoiluminação, orando.


Porém, intercede por eles a Jesus e mantém a tua sintonia com Deus, pela prece, a fim de seres feliz.



Redação do Momento Espírita, com base no cap. 27, do livro Desperte e seja feliz, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. LEAL. Disponível em www.momento.com.br.

sábado, janeiro 25, 2014

Preceitos de Toda Hora - André Luiz




Preceitos de Toda Hora

André Luiz



Caminhe com firmeza. 

Quem se acomoda com a precipitação tropeça a cada instante.



Examine a você mesmo. 

Na vigilância constante, educará você os próprios impulsos.


Higienize a própria mente, trabalhando no bem sem desânimo. 

Os cérebros preguiçosos acumulam resíduos indesejáveis.



Escute seu irmão sem reprovações. 

A caridade real começa na atenção generosa e amiga.



Aperfeiçoe o procedimento. 

Hoje melhorado é amanhã mais feliz.



Ampare o coração combalido. 

Ninguém pode prever a saúde próxima do próprio coração.



Faça luz com a sua palavra. 

Se hoje pode você orientar é possível que amanhã esteja você rogando conselhos.



Sofra com paciência e serenidade. 

No braseiro da revolta, ninguém consegue aproveitar a dor.



Melhore o vocabulário. 

Há palavras que, excessivamente repetidas, perdem a significação que lhe é própria.



Cultive a simplicidade. 

Embora não pareça, o Universo é imponente conjunto de leis claras e cousas simples.



Sirva sempre. 

O tédio é o salário de quem vive reclamando o serviço dos outros.



Improvise o bem onde você estiver. 

A sombra do mal é assim como o detrito que invade tudo, quando a limpeza está ausente.




XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito André Luiz. Ideal Espírita.


sexta-feira, janeiro 24, 2014

Viver agora - Joanna de Ângelis





Viver agora

Joanna de Ângelis



Este é o teu momento de viver intensamente a realidade da vida.


Desnecessário recordar que, agora, o teu momento presente é relevante para a aquisição dos bens inestimáveis para o Espírito eterno.


Há muito desperdício de tempo, que se aplica nas considerações do passado como em torno das ansiedades do futuro.


A tomada de consciência é um trabalho de atualidade, de valorização das horas, de realização constante.


A vida é para ser vivida agora.


Postergar experiências significa prejuízo em crescimento na economia da vida.


Antecipar ocorrências representa precipitação de fatos que, talvez, não sucederão, conforme agora tomam curso.


As emoções canalizadas em relação ao passado ou ao futuro dissipam ou gastam a energia vital, que deve ser utilizada na ação do momento.


*   *   *


Se vives recordando o passado ou ansiando pelo futuro perdes a contribuição do presente, praticamente nada reservando para hoje.


O momento atual é a vida, que resulta das atividades pretéritas e elabora o programa do porvir.


Encoraja-te a viver hoje, sentindo cada instante e valorizando-o mediante a consciência das bênçãos que se encontram à tua disposição.


A vida é um sublime dom de Deus.


Naturalmente, quando recebes um presente de alguém sentes o desejo irrefreável de agradecer, de louvar, de bendizer.


Desse modo, agradece a Deus o sublime legado, que é a tua vida, por Ele concedido.


*   *   *


Deus, nosso Pai de infinita justiça e bondade:


Como é bom agradecer pela vida, por esta oportunidade sem igual de fazer parte de teu Universo resplandecente.


Brilha meu coração quando, ao observar o cântico da Tua natureza, percebe que tudo é feliz e cumpre seu papel resignadamente.


Brilha meu coração quando compreendo Tuas leis perfeitas a reger o cosmos; das leis que equilibram os corpos no espaço às leis morais que harmonizam as relações humanas.


Brilha meu coração ao saber que todos rumamos para a felicidade e que, embora acampemos agora em campos de aflição e dúvida, o passar das eras está construindo em nós as bases de dias felizes.


Brilha meu coração, hoje, agora, enquanto me dou conta de Ti, de mim, de meu próximo e percebo que estamos todos entrelaçados, e que a felicidade depende de como cuido de Ti, de mim e de meu próximo.


Brilha meu coração que é teu, Pai amado. E a luz que ele emite é a gratidão da criatura para com o Seu Criador.


É um despertar decisivo para a verdadeira vida, agora, aqui, na imensidão de minha alma encantada ao descobrir-Te, gradual e definitivamente.





Redação do Momento Espírita com base no cap. 17, do livro Alegria de viver, pelo Espírito Joanna de Ângelis,  psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal. Disponível em www.momento.com.br.