Pachelbel - Canon In D Major

domingo, agosto 31, 2014

Homenagem a Antonio Ermírio de Moraes







Antonio Ermírio de Moraes    

       
Eliana Haddad     



A notícia da morte  em São Paulo, do empresário Antônio Ermírio de Moraes, aos 86 anos,no último dia 24 de agosto pp, desperta a sensação de gratidão e admiração por alguém que merece ser homenageado pela ética e espírito empreendedor, de quem soube lidar muito bem com a riqueza, gerando empregos e deixando valores exemplares de confiança no trabalho e respeito pela sociedade.


Presidente de honra do Grupo Votorantim, Antonio Ermírio desencarnou em casa, no bairro Morumbi, zona sul da capital paulista, e teve seu corpo velado no Salão Nobre do Hospital Beneficência Portuguesa e sepultado no Cemitério do Morumbi. 


Antônio Ermírio de Moraes deixa a mulher, Maria Regina de Moraes, e nove filhos.


Nascido em São Paulo em 1928, o empresário se formou em Engenharia Metalúrgica pela Colorado School of Mines (EUA) e começou sua carreira no grupo em 1949, sendo o responsável pela instalação da Companhia Brasileira de Alumínio, inaugurada em 1955.


Um dos empresários mais bem-sucedidos e um dos homens mais ricos do Brasil, publicou livros e foi colunista do jornal Folha de São Paulo por mais de quinze anos, conquistando a cadeira 23 da Academia Paulista de Letras.


Líder que sempre defendeu o trabalho e a iniciativa privada, Ermírio soube ampliar para a sociedade os benefícios da sua riqueza, não enterrando talentos, mas multiplicando-os, como tão bem advertira Jesus em sua parábola no Evangelho.


Foi com alegria e responsabilidade que se dedicou à filantropia, atuando em instituições como a Cruz Vermelha Brasileira e a Sociedade Beneficência Portuguesa de São Paulo, acreditando sempre num Brasil mais justo.


Importante em momentos como o que o Brasil atravessa lembrar que existem pessoas que passam pela vida pública e deixam marcas positivas, lembranças construtivas e exemplos que nos incentivam a valorizar a ética e o espírito de coletividade.


Em O evangelho segundo o espiritismo, Allan Kardec comenta sobre a utilidade providencial da fortuna.


"A riqueza é sem dúvida uma prova muito difícil, mais perigosa que a miséria pelos seus arrastamentos, as tentações que dá e a fascinação que exerce... Mas o fato de tornar o caminho difícil não se segue que o torne impossível, e não possa tornar-se um meio de salvação nas mãos daquele que dela sabe se servir... cabe ao homem dela extrair o bem", destaca.


E para as incompreensões sobre as desigualdades das riquezas, Kardec ainda responde por que todos os homens não são igualmente ricos.


" É que eles não são igualmente inteligentes, ativos e laboriosos para adquirir e nem moderados e previdentes para conservar".


Antonio Ermírio de Moraes, possivelmente, aprendeu a lição e deve ter passado bem pela prova.


Que toda sua contribuição social se traduza para seu espírito nesse instante em forma de bênçãos e de luz!



Fonte









Antonio Ermírio de Moraes foi um desses raros espíritos que passou pelas facilidades materiais sem fazer delas um grilhão.


Segundo os mais íntimos, não gostava de férias nem de luxo, sua satisfação maior era atuar como administrador voluntário da Beneficência Portuguesa de São Paulo.


Era um madrugador dedicado ao trabalho desde a juventude e a uma sociedade mais igualitária.


Dessa forma deixou sua marca de um homem de respeito e respeitável.



Toca profundamente o nosso coração, vislumbrarmos o retorno de um Espírito nas condições desse grande administrador, que retornou à Pátria Espíritual .



Que as vibrações de Jesus e da Mãe Santíssima o envolvam, para que seu despertar seja sereno e tranquilo, após mais essa experiência reencarnatória.


Poema de Gratidão - Amélia Rodrigues





Poema de Gratidão


Amélia Rodrigues

Muito obrigado, Senhor, pelo que me deste, pelo que me dás!
Muito obrigado, pelo pão, pelo ar, pela paz!
Muito obrigado, pela beleza que meus olhos vêem no altar da Natureza!

Olhos que fitam o céu, a terra e o mar.
Que acompanham a ave fagueira que corre ligeira pelo céu de anil e se detém na terra verde, salpicada de flores em tonalidades mil!


Muito obrigado, Senhor, porque eu posso ver o meu amor!
Diante da minha visão, pelos cegos, formulo uma oração. 

Eu sei, que depois dessa lida, na outra vida, eles também enxergarão!

Obrigado, pelos ouvidos meus, que me foram dados por Deus.
Ouvidos que ouvem o tamborilar da chuva no telheiro, a melodia do vento nos ramos do salgueiro, as lágrimas que choram os olhos do mundo inteiro.

Diante de minha capacidade de ouvir, pelos surdos, eu Te quero pedir, eu sei, que depois desta dor, no Teu reino de amor, eles também ouvirão!

Muito obrigado, Senhor, pela minha voz!
Mas, também, pela voz que canta, que ensina, que alfabetiza, que canta uma oração e Teu nome profere com sentida emoção!


Diante da minha melodia, quero Te rogar, pelos que sofrem de afazia, pelos
que não cantam de noite e não falam de dia.
Eu sei, que depois desta dor, no Teu reino de amor, eles também cantarão!


Muito obrigado, Senhor, pelas minhas mãos!
Mas, também, pelas mãos que oram, que semeiam, que agasalham.
Mãos de amor, mãos de caridade, de solidariedade.
Mãos que apertam mãos.
Mãos de poesia, de cirurgia, de sinfonia, de psicografias...
Mãos que acalentam a velhice, a dor e o desamor!
Mãos que acolhem ao seio, o corpo de um filho alheio, sem receio.


Pelos meus pés, que me levam a andar sem reclamar.
Muito obrigado, Senhor, porque posso bailar!
Olho para a Terra e vejo amputados, marcados, desesperados, paralisados...
Eu posso andar!


Oro por eles!

Eu sei, que depois dessa expiação, na outra vida, eles também bailarão.
Muito obrigado, Senhor, pelo meu lar!
É tão maravilhoso ter um lar... 

Não importa se este lar é uma mansão
um bangalô, seja lá o que for!


O importante, é que dentro dele exista amor!
O amor de pai, de mãe, de marido e esposa, de filho, de irmão...
De alguém que lhe estenda a mão, mesmo que seja o amor de um cão, pois, é tão triste viver na solidão!


Mas, se não tiver ninguém para me amar, um teto para me acolher, uma cama para me deitar...
Mesmo assim, não reclamarei, nem blasfemarei.
Simplesmente, direi:


Obrigado, Senhor, porque, nasci.
Obrigado, Senhor, porque, creio em Ti!
Pelo Teu amor, obrigado, Senhor!


FRANCO, Divaldo Pereira pelo Espírito Amélia Rodrigues.

***

O poema de Gratidão, é antes de tudo, uma prece de agradecimento a Deus.


É o ser humano, expressando esse sentimento de forma bela e poética.



Ressalta com muita beleza, os atributos do espírito imortal, a se refletir no hoje e o quanto podem ser úteis, produzindo no campo do Bem e do Amor.



Evidencia que as mãos, em ações altruísticas e no trabalho edificante, são propulsoras do progresso e da evolução. 



E, sobretudo, um hino magnífico, que exalta a reencarnação, abrindo perspectivas de esperança, de novas e sucessivas etapas através dos tempos, nas quais, os que sofrem, encontrarão a recompensa merecida. 



Essa bela oração gratulatória do espírito Amélia Rodrigues, foi psicografada por Divaldo P. Franco, em Buenos Aires, Argentina, em 21 de Novembro de 1962, que passou a apresentá-la ao finalizar as suas palestras.


No momento de encerramento, quando Divaldo pronuncia as primeiras frases do poema, unem-se os pensamentos e vibrações do público presente e, como um majestoso concerto, seus acordes repercutem harmoniosamente, levando a mensagem de gratidão a Deus pela amplidão afora.


Suely Caldas Schubert

sábado, agosto 30, 2014

Viva como as flores - Desconheço a autoria







Viva como as flores


Mestre, como faço para não me aborrecer?


Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes.


Algumas são indiferentes.


Sinto ódio das que são mentirosas.


Sofro com as que caluniam.


Pois viva como as flores, advertiu o mestre.


Como é viver como as flores? - perguntou o discípulo.


Repare nestas flores, continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim.


Elas nascem no esterco, entretanto, são puras e perfumadas.


Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável, mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas.


É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem.


Os defeitos deles são deles e não seus. 


Se não são seus, não há razão para aborrecimento.


Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo mal que vem de fora.


Isso é viver como as flores.





Desconheço a autoria.

sexta-feira, agosto 29, 2014

Este Dia - André Luiz





Este Dia



André Luiz



Este dia é o seu melhor tempo, o instante de agora.


Se você guarda inclinação para a tristeza, este é o ensejo de meditar na alegria da vida e de aceitar-lhe a mensagem de renovação permanente.


Se a doença permanece em sua companhia, surgiu a ocasião de tratar-se com segurança.


Se você errou, está no passo de acesso ao reajuste.


Se esse ou aquele plano de trabalho está incubado em seu pensamento, agora é o momento de começar a realizá-lo.


Se deseja fazer alguma boa ação, apareceu o instante de promovê-la.


Se alguém aguarda as suas desculpas por faltas cometidas, terá soado a hora em que você pode esquecer qualquer ocorrência infeliz e sorrir novamente.


Se alguma visita ou manifestação afetiva esperam por você chegou o tempo de atendê-las.


Se precisa estudar determinada lição, encontrou você a oportunidade de fazer isso.



Este dia é um presente de Deus, em nosso auxílio; de nós depende aquilo que venhamos a fazer com ele.



XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito André Luiz . Do livro Respostas da Vida.

quinta-feira, agosto 28, 2014

Meditação para Superação das Aflições - Yasmin Madeira

Saber Esperar - Irmão José






Saber Esperar


Irmão José



Não te esqueças de que a solução para o problema que te angustia, está a caminho.


Nos tribunais da Divina Justiça, nenhum processo fica parado.


A tua petição, depois de examinada, será deferida de acordo com os teus méritos.


Não te aflijas, antecipando-te às providências que haverão de ser tomadas em favor de tua paz.


Nem agraves a tua situação, tornando inócuas, quando te alcancem, as deliberações em andamento.


Saber esperar é tão importante quanto saber agir.


Toda decisão precipitada acaba sendo uma solução pela metade para o problema que se pretende resolver.


A solução que demora a surgir ainda não encontrou, disponíveis, os elementos que a favoreçam.



BACCELLI, Carlo A. pelo Espírito Irmão José. Vigiai e Orai.

quarta-feira, agosto 27, 2014

Coragem da Fé - Emmanuel






Coragem da Fé

Emmanuel



Guarda a coragem da própria fé.


A existência na Terra é bendita oportunidade de evoluir.


Se a provação te visita, recebe-a com paciência.


A dor, seja qual seja, é sempre um aviso salutar.


Não te marginalizes, caminha adiante.


Não existem espinhos e pedras insuperáveis.


Quanto possível, auxilia aos companheiros na travessia dos entraves maiores do que os teus.


Se agora é o teu momento de auxiliar, é possível que, em breve, venha a surgir o teu momento de receber o socorro alheio.


Não te entregues à impaciência; reclamação e azedume são processos de perder aquilo de que mais necessites.


Trabalha sempre.


Ainda que as circunstâncias te obriguem a trabalhar pouco, mantém-te nesse pouco, de vez que servir espontaneamente é ato dos mais significativos da Criação.


Se te ofendem, perdoa; os agressores não sabem o número das tribulações que os esperam.


Haja o que houver, confia na Providência Divina, porque o Senhor que nos sustentou e dirigiu até hoje, nos sustentará igualmente agora, a fim de prosseguirmos colaborando na edificação da Terra Melhor de Amanhã.



XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Emmanuel. Recados da Vida.

terça-feira, agosto 26, 2014

Luz de Deus - Joanna de Ângelis





Luz de Deus

Joanna de Ângelis


Quando os raios do Sol atravessam um vitral delicado, este esplende de beleza, exteriorizando tonalidades pujantes em magia de luz e de cor.

A alma humana é constituída de elementos superiores, mas atinge a plenitude quando penetrada pela divina claridade,  que aguarda apenas ser recebida e filtrada.

Qual diamante lapidado que reflete toda uma estrela,  ela, igualmente se torna um  astro fulgurante quando burilada pelo sofrimento e colocada  a serviço da função evolutiva.

Necessitas entender que o teu progresso espiritual  é de emergência e o estás retardando  em razão das coisas de pequena monta a que te encadeias.

Os grandes obstáculos desafiadores  levam o viajante à reflexão na forma pela qual os podes superar.

Entretanto, os  cardos e pedregulhos do  caminho, que  parecem  insignificantes, em ferindo-lhe  os pés, impedem-lhe o avanço.

Permeia-te da divina luz e clareia  os recantos escuros da tua vida,onde se alojam o ciúme, a mágoa, a inveja, a preguiça e outras imperfeições injustificáveis.

Criado para a glória estelar, és um cosmos  em miniatura, saindo da nebulosa incandescente das paixões.

Gravita em harmonia sob ação do pensamento de Deus sem te deslocares da rota.

A força da atração do  amor  leva todos a Ele. 


Irradia-a com todo o teu ser vestido de tal forma com essa luz, que nenhuma sombra remanesça  escondida no teu sentimento.

Ela alcançará o teu próximo  e brilhará no mundo. 


Com a luz de Deus fulgindo em ti,revelarás a bondade e todo o bem  que jazem adormecidos e que ela consegue despertar para a vida.



FRANCO, Divaldo Pereira pelo Espírito Joanna de Ângelis. Da obra Filho de Deus. Salvador: LEAL, 1986.










Recomendamos aos nossos leitores e amigos,  o estudo desse livro, lançado recentemente, que nos contempla com esclarecimentos valiosos sobre a trajetória dessa Benfeitora Espiritual.


*


Joanna de Ângelis realiza, através da mediunidade de Divaldo Franco, elevada programação espiritual, de caráter educativo e evangélico, concretizando no plano terreno o seu compromisso com Jesus.


Há dois mil anos, quando do seu encontro com o Mestre dos Mestres, a Ele dedicou a própria vida, num apostolado de abnegação e amor. 


Joana de Cusa,Clara de Assis, Juana Ignés de La Cruz,  Joana Angélica, são reencarnações vitoriosas desse Espírito de escol, ressurgido hoje na presença de luz de Joanna de Ângelis.


Estes são os tempos do Consolador e Joanna de Ângelis "fala", através da psicografia de Divaldo Franco, a mensagem libertadora do Espiritismo. 


Como autora espiritual alcançou em 2008 a expressiva marca  de 56 obras e de milhares de belas e instrutivas mensagens. 


Destacando-se as obras da linha psicológica, preciosa ferramenta de autoajuda e autoaprimoramento para os seres humanos dos nossos tempos. 

segunda-feira, agosto 25, 2014

O novo Papa - Arthur Lins de Vasconcellos





O novo Papa

  Arthur Lins de Vasconcellos




Meus caros confrades.


Meus votos de muita paz.


Permitam-me algumas breves considerações.


O mundo moderno, especialmente o Ocidente, viveu nos últimos dias a expectativa da eleição papal, quando o supremo chefe da Igreja Católica Apostólica Romana seria erguido ao trono pontifício, para a governança do imenso rebanho que se espalha pelo mundo.


A pompa, o poder arbitrário, os interesses econômicos em jogo, os conciliábulos políticos, ofereceram aos veículos midiáticos valiosa contribuição para comentários intérminos.


E hoje, quando foi eleito o Papa, e escolheu o nome de Francisco, homenageando o Pobrezinho de Assis e o inolvidável Francisco Xavier, divulgador do Cristianismo nas Índias, no Japão, nas Filipinas, simbolizando a humildade do primeiro e a solidariedade do segundo, perspectivas felizes abrem-se para um reinado transitório que deve deixar assinaladas marcas históricas no seio da sociedade.


A multissecular organização humana tem vivido de crises.


Crimes hediondos foram praticados na ignorância da noite medieval.


Homicídios cruéis e bem urdidos, guerras lamentáveis e perseguições inomináveis mancharam-lhe as páginas com o sangue de milhões de vítimas, em detrimento da sublime política de amor enunciada e vivida por Jesus-Cristo.


Uma nova crise de dimensões imensas, não há muito, cindiu a estrutura religiosa política e econômica do Vaticano tornado Estado.


A postura indigna dos administradores do Banco do Vaticano, as chagas morais e purulentas do comportamento de alguns dos seus representantes religiosos, as exigências da modernidade, a necessidade de ampliar os horizontes e atualizá-los, de maneira compatível com os comportamentos hodiernos constituem desafios máximos para Sua Santidade.


Merece considerar que toda organização rígida sofre as injunções penosas do tempo e toda edificação que pretende preservar a tradição sem a necessária adaptação ao meio ambiente e às novas formulações da vida, transformam-se em decomposições carunchadas que o tempo vence.


Das lições inolvidáveis do Mestre no meio da multidão, passou-se da convivência com o populacho sofrido e excluído da sociedade para a opulência da atualidade, com olvido da pureza do Evangelho.


Nada obstante, porque mais de um bilhão de criaturas pertencem ao rebanho, Jesus contempla com misericórdia as astúcias humanas e inspira todos aqueles que são honestos na busca do Bem a que encontrem rápidas soluções para os imensos problemas que ora se abatem sobre a sociedade e a grandiosa Instituição.


Merece considerar que o novo Papa, aclimatado a uma vida austera e simples, despojado das tradições do poder e do orgulho foi elegido para poder criar uma nova ponte, facultando a compreensão da vivência do Evangelho de Jesus, naquele sentido transcendental e santo da fraternidade e da compaixão.


Dois requisitos tornam-se inseparáveis para definir a legitimidade de qualquer doutrina religiosa: estabelecer a estrutura do Bem e da Caridade através do amor e não fazer a outrem o que não deseja que se lhe faça.


Todas as teologias aí perdem os seus focos. 


Ou encontram a diretriz que não seguem, estabelecendo paradigmas severos de interpretações complexas para o grande desafio do Amor ou são consumidas pelo tempo.

*

Sem a essência da vida na sua total simplicidade, o Espiritismo, com a tarefa de restaurar o Cristianismo na sua expressão mais singela, deve aprender com a lição destes séculos a preservar a pureza da fé, a fraternidade legítima e manter o espírito de compaixão e de solidariedade, para não se converter em uma perigosa organização político-religiosa-econômica como o mundo exige, falhando no objetivo essencial, que é iluminar as almas.


O Espiritismo possui como paradigma essencial a caridade, como Francisco a viveu com o próprio coração, em Assis, e por onde deixou as pegada marcadas de sangue nos caminhos percorridos. 


E também como executou o outro Francisco, Xavier, levando Jesus às imensas multidões e sensibilizando-as de tal forma que as conversões eram volumosas e festivas.


O exemplo desses Apóstolos, o espírita moderno deve e pode compreender, buscando imitá-los.


A missão que lhe cabe construir no mundo é a da fraternidade, que os governos não logram em razão das paixões políticas, nem a cultura vã que escraviza no intelectualismo vazio, nem a tecnologia, que faculta todo conforto imaginável, mas é responsável pelas guerras de extermínio...


Só Jesus pode realizá-la.


Todos nós, em uníssono, inscrevamos em nosso mundo íntimo a vida incomparável do Galileu, que a nós nos fascina, entregando-nos, como rebanho, ao Seu cajado amigo de segurança.



Agradecemos a vossa paciência para com as nossas reflexões.


O confrade


Arthur Lins de Vasconcellos



Psicofonia de Divaldo Pereira Franco, em 13 de março de 2013, na data da eleição do Papa Francisco  na reunião mediúnica do Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador – BA.Em 6.5.2013.



Fonte
FRANCO, Divaldo Pereira pelo Espírito Arthur Lins de Vasconcellos. Disponível em