Pachelbel - Canon In D Major

quarta-feira, janeiro 31, 2007

MOMENTOS DE REFLEXÃO

"Toda semente de ódio, deixada a esmo pelo caminho, sempre se transforma em plantação de infelicidade, proporcionando colheita de amarguras."

Manoel Philomeno de Miranda



A ESCOLHA É SUA


Você já ouviu alguma vez falar de livre-arbítrio?
Livre-arbítrio quer dizer livre escolha, livre opção.
Em todas as situações da vida, sempre temos duas ou mais possibilidades para escolher.
E a cada momento a vida nos exige decisão.
Sempre temos que optar entre uma ou outra atitude.
Desde que abrimos os olhos, pela manhã, estamos optando entre uma atitude ou outra.
Ao ouvir o despertador, podemos escolher entre abrir a boca para lamentar por não ser nosso dia de folga ou para agradecer a Deus por mais um dia de oportunidades, no corpo físico.
Ao encontrarmos o nosso familiar que acaba de se levantar, podemos resmungar qualquer coisa, ficar calado, ou desejar, do fundo da alma, um bom dia.
Quando chegamos ao local de trabalho, podemos optar entre ficar de bem com todos ou buscar o isolamento, ou, ainda, contaminar o ambiente com mau humor.
Conta um médico, que trata de pacientes com câncer, que as atitudes das pessoas variam muito, mesmo em situações parecidas.
Diz ele que duas de suas pacientes, quase da mesma idade, tiveram que extirpar um seio por causa da doença. Uma delas ficou feliz por continuar viva e poder brincar com os netos, a outra optou por lamentar pelo seio que havia perdido, embora também tivesse os netos para se distrair.
Quando alguém o ofende, você pode escolher por revidar, calar-se ou oferecer o tratamento oposto. A decisão sempre é sua.
O que vale ressaltar é que todas as ações terão uma reação correspondente, como conseqüência. E essa ação é de nossa total responsabilidade.
E isso deve ser ensinado aos filhos desde cedo.
Caso a criança escolha agredir seu colega e leve alguns arranhões, deverá saber que isso é resultado da sua ação e, por conseguinte, de sua inteira responsabilidade.
Tudo na vida está sujeito à lei de causa e efeito: para uma ação positiva, um efeito positivo; para uma ação infeliz, o resultado correspondente.
Se você chega ao trabalho bem humorado, alegre, radiante, e encontra seu colega de mau humor, você pode decidir entre sintonizar na faixa dele ou fazer com que ele sintonize na sua.
Você tem ainda outra possibilidade de escolha: ficar na sua.
Todavia, da sua escolha dependerá o resto do dia.
E os resultados lhe pertencem.
Jesus ensinou que a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória.
Pois bem, nós estamos semeando e colhendo o tempo todo.
Se semeamos sementes de flores, colhemos flores; se plantamos espinheiros, colheremos espinhos. Não há outra saída.
Mas o que importa mesmo é saber que a opção é nossa.
Somos livres para escolher, antes de semear. Aí é que está a justiça divina.
Mesmo as semeaduras que demoram bastante tempo para germinar, um dia terão seus frutos. São aqueles atos praticados no anonimato, na surdina, que aparentemente ficam impunes.
Um dia eles aparecerão e reclamarão colheita. Igualmente, os atos de renúncia, de tolerância, de benevolência, que tantas vezes parecem não dar resultados, um dia florescerão e darão bons frutos e perfume agradável.
É só deixar nas mãos do jardineiro divino, a quem chamamos de Criador.
Pense nisso! A hora seguinte será o reflexo da hora atual.
O dia de amanhã trará os resultados do dia de hoje.
É assim que vamos construindo a nossa felicidade ou a nossa desdita, de acordo com a nossa livre escolha, com nosso livre-arbítrio.

Equipe de redação do site www.momento.com.br







Recebi esta mensagem da Gruxa minha amiga e companheira de trabalho e a compartilho com vocês.
Beijos mil!
Gabi

sábado, janeiro 27, 2007






REALIZA O TEU TRABALHO




Realiza o teu trabalho.


Não desconsideres a crítica que te aperfeiçoa o esforço, mas não consintas que ela te paralise a ação.


Não cogites de grandes feitos.


Simplesmente, cumpre, da melhor maneira possível, o dever que te cabe.


Em hipótese alguma, aspires a qualquer promoção pessoal às custas da tarefa sob a tua responsabilidade.


Não permaneças na expectativa do reconhecimento alheio e nem esperes contar com o apoio de muitos companheiros, na obra do bem que executas.


Faze a tua parte, consciente de que, após teres feito o que podias, ainda te ficou faltando fazer o que devias.


A tua tarefa, pequenina embora, é a tua maior bênção.


É por ela que, passo a passo, palmilhas a senda que te conduz aos Páramos Superiores.


Haja o que houver, pois, não te arredes do teu posto de serviço espiritual.


Ele é o teu ponto de referência, para que o Socorro Divino te encontre o endereço nas horas angustiantes de aflição.


Tudo quanto se realiza com amor transcende a definição das palavras e é grande demais, para que se lhe possa aquilatar o valor.




Irmão José


Do livro Dias Melhores :: Psicografia de Carlos A. Bacelli

sexta-feira, janeiro 26, 2007



Tempo de despertar a alma


Adenáuer Novaes




O texto a seguir pertence a um capítulo do novo livro de Adenáuer Novaes, "Psicologia do Evangelho". As idéias contidas na obra visam, de forma específica, levar o leitor a uma reflexão interior, a espécie de auto-análise e percepção de si mesmo no seu processo de desenvolvimento pessoal. Dirigem-se àqueles que desejam viver em paz consigo mesmo e com seus processos de descoberta e realização pessoal. Esta obra nos leva a entender que a Psicologia da mensagem do Evangelho baseia-se fundamentalmente no amor.



“Porque o reino dos céus é semelhante a um dono de casa que saiu de madrugada para assalariar trabalhadores para a sua vinha.” Mateus, 20:1.



O Cristo propôs salário àqueles que começassem a trabalhar mais tarde de igual valor aos que tivessem iniciado mais cedo. À primeira vista é um contra-senso, pois que, hoje em dia, se paga o salário pela hora trabalhada. Por outro ângulo, do ponto de vista ainda legal, pode-se afirmar que, depois de admitido no emprego, quando nada há para fazer no início de sua jornada de trabalho, o operário receberá a diária independente de ter iniciado a tarefa apenas no final do dia. Seria, portanto, pertinente o pagamento do mesmo salário independente da produção do operário, se não havia trabalho a ser feito.



Podemos, no entanto, estabelecer outras considerações a respeito do tema, tendo em vista a aparente injustiça na afirmação de que, cabe o mesmo salário ao que trabalhou o dia inteiro e àquele que só o fez na última hora do dia.



A complexidade da vida na Terra requer do ser humano a habilidade de aprender a fazer escolhas, pois muitos são os caminhos e processos a seguir. Há muito que aprender, não sendo possível fazê-lo numa única encarnação. Ao fazer suas escolhas estará, automaticamente, renunciando a outras, as quais poderá ter que optar mais tarde. Parecerá que, ao escolher determinada via, tenha negligenciado outras que, aparentemente, seriam mais importantes. Quando tiver que retomar aquelas vias não escolhidas, outros já a terão trilhado, parecendo displicência sua. Os que optaram primeiro pela via por ele não escolhida, serão os trabalhadores da primeira hora.



Quando ele optar, será o trabalhador da última hora. De um ponto de vista psicológico poderíamos afirmar que se trata de escolher aquilo que está mais próximo da consciência, como também o que é mais importante para o Espírito naquele momento. As escolhas recaem, muitas vezes, em resolver e vivenciar, o quanto antes, as questões primeiras do processo de Vida, tais como: profissão, casamento, filhos, dinheiro, etc, deixando-se de lado o que seria mais fundamental. Relega-se, na maioria das vezes, a último plano as questões ligadas à espiritualidade. Na visão junguiana existe uma zona psíquica consciente e outra inconsciente, sendo esta muito mais abrangente que aquela.



Ao decidir-se cuidar de seu mundo interior, o ser humano pode iniciar seu processo com suas questões ligadas à área inconsciente como também iniciar pelas ligadas à área consciente. Se optar pela primeira, saberá que se trata de um processo longo e mais difícil do que se optasse pela última.



Na primeira, terá que fazer um mergulho maior em sua essência, tendo que buscar aspectos mais profundos de sua personalidade, isto é, suas motivações espirituais, suas capacidades evolutivas, sua tendências arquetípicas, etc. Na última, tenderá a cuidar dos aspectos mais recentes de sua vida: infância, relacionamento familiar, escolha profissional, vivência afetiva, etc., todos estes da atual reencarnação.



Para quem optou pela primeira, ao se deparar com aqueles que optaram pela última, parecerá futilidade ou superficialidade tal preferência. Talvez ele não perceba que, um dia, terá que fazer semelhante caminho. Parecerá injusto para ele, por ter trilhado um caminho mais difícil e longo, chegar ao mesmo ponto que aquele que viveu processos, por ele considerados superficiais e, às vezes, fúteis. São os caminhos humanos e deverão ser trilhados por todos nós.



Psicologicamente, na idade adulta, é dar atenção às questões transcendentes do Self, além de cuidar das questões ligadas ao ego. Pode ser um equívoco não dar atenção à estruturação do ego na ascensão espiritual. Há pessoas que enveredam pela religiosidade exacerbada sem cuidar de sua vida pessoal.



O salário é o mesmo, porém o trabalho de estruturação do Espírito como ser interexistente da vida material e da vida espiritual é fundamental. Há que se buscar realizar-se em ambos os campos.



A última hora é o tempo não contado onde não se tem mais esperança quanto ao futuro. É o momento do entardecer na vida do ser humano. É o instante do desânimo e da possibilidade de fracasso. É também nesse momento que se deve buscar o crescimento espiritual, isto é, a atenção às coisas do Espírito. Não deve o candidato ao crescimento espiritual culpar-se por começar mais tarde e após ter vivido uma vida material preenchida de equívocos. É sempre tempo de começar a plantar a semente do próprio crescer. Uma análise mais profunda nos levaria a entender que o Cristo também nos alertava quanto ao tempo e sua premência.



Chamava-nos a atenção para que aproveitássemos todos os momentos de nossa Vida. É sempre a última hora, o derradeiro minuto, isto é, nunca é tarde para buscarmos a transformação de nossos hábitos equivocados em atitudes positivas. Talvez ele também nos alertasse quanto ao momento do planeta Terra, que passa por uma fase transitória de provas e expiações para uma outra de renovação moral. Alerta-nos para valorizarmos todos os momentos de nossa Vida na busca do equilíbrio e da paz, pois o ‘salário’ será recompensador.



Àquele que reclamara por ter recebido o mesmo salário, embora tenha trabalhado mais, ele diz: “Mas o proprietário respondendo, disse a um deles: Amigo, não te faço injustiça; não combinaste comigo um denário? Toma o que é teu, e vai-te; pois quero dar a este último, tanto quanto a ti. Porventura não me é lícito fazer o que quero do que é meu? Ou são maus os teus olhos porque eu sou bom?



Assim, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos [porque muitos são os chamados e poucos os escolhidos]. O preço do trabalho é o mesmo para todos os Espíritos, quer tenham começado seu processo evolutivo mais cedo ou não. Todos alcançaremos a felicidade através do conhecimento e da vivência das leis de Deus.



As palavras contidas na parábola do trabalhador da última hora nos levam a entender que não se deve retirar a esperança da vida das pessoas. Mesmo que a pessoa viva iludida, não se deve sumariamente eliminar o motivo que a mantém viva. É preciso aproveitar sua última cota de esperança e de motivação para lhe fazer perceber uma nova realidade. É dar-lhe o ‘salário’ necessário para que rompa com os equívocos do passado.



A mensagem da parábola nos convida a não viver do passado nem reclamar do que não tivemos. Fixar-se no passado é perder tempo no presente. A investigação do próprio passado só tem sentido quando buscamos acertar no presente para não mais cometermos equívocos no futuro.
O trabalhador da última hora não perde tempo em disputas estéreis com seu semelhante, uma vez que enxerga em si mesmo seu próprio adversário interior. É esse seu campo de batalha onde terá de sair vitorioso no futuro. Sua felicidade, isto é, seu ‘salário’ lhe é dado pelo seu próprio esforço em se melhorar.



As frustrações da infância ou de outras encarnações não devem se constituir em exigências do presente, mas tão somente em caminhos percorridos a fim de se apreender as leis de Deus.






Psicologia do Evangelho

As idéias aqui expressas visam, de forma específica, levar o leitor a uma reflexão interior, a espécie de auto-análise e percepção de si mesmo no seu processo de desenvolvimento pessoal.
Dirigem-se àqueles que desejam viver em paz consigo mesmo e com seus processos de descoberta e realização pessoal.
Esta obra nos leva a entender que a Psicologia da mensagem do Evangelho baseia-se fundamentalmente no amor.


Sociedade Espírita NOVA ERA ::Blumenau::SC

quarta-feira, janeiro 24, 2007



VIDA

Texto de Charles Chaplin


“Já perdoei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstituíveis
e esquecer pessoas inesquecíveis”.


Já fiz coisas por impulso,
Já me decepcionei com pessoas
quando nunca pensei me decepcionar,
mas também decepcionei alguém.



Já abracei pra proteger,
Já dei risada quando não podia,
Já fiz amigos eternos
já amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado



Já fui amado e não soube amar.
Já gritei e pulei de tanta felicidade,
já vivi de amor e fiz juras eternas,
mas "quebrei a cara" muitas vezes!


Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
Já liguei só pra escutar uma voz,
Já me apaixonei por um sorriso,


Já pensei que fosse morrer de tanta saudade
e... tive medo de perder alguém especial
(e acabei perdendo)! Mas sobrevivi!


E ainda vivo! Não passo pela vida...
e você também não deveria passar. Viva!!!


Bom mesmo é ir a luta com determinação,
abraçar a vida e viver com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve

e

A VIDA É MUITO

para ser insignificante"

Chaplin


Texto enviado por minha amiga Cris

segunda-feira, janeiro 22, 2007


DEVOLUÇÃO


Queres felicidade.
Felicidade, porém,
é uma construção a fazer.

O alicerce está em ti mesmo.
Recorda: terás sempre
o que deres de ti.

O retorno é de lei.
Ainda mesmo que em migalha,
distribui a esperança e alegria.

Mesmo sofrendo,
oferece um sorriso aos outros.


Tanto quanto puderes,
faze os outros felizes.


Pouco a pouco,
terás centuplicadamente
aquilo que semeias.

Não te esqueças:
felicidade é devolução.

Emmanuel





Que nesta semana você possa comprovar a propriedade da lei de causa e efeito,
distribuindo, e recebendo em troca, amor, compreensão, solidariedade, amizade, paz, cumplicidade, alegria, bonança, bondade, serenidade, descontração, esperança, boa vontade, satisfação, confiança, energia, paciência, tolerância, generosidade, complacência, esperança, amor... e quantos mais sentimentos e energias positivas que você distribuir.

Mensagem semanal da Casa Espírita Eurípedes Barsanulfo:: Rio de Janeiro

quinta-feira, janeiro 18, 2007


Alegria

“É melhor ser alegre, que ser triste
A alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração” -
(Samba da Benção - Vinicius de Moraes/Baden Powell)”
A alegria, acreditemos ou não, é algo plenamente acessível a qualquer ser humano.
É claro que para muitas pessoas a vida apresenta desafios monumentais que podem comprometer seriamente sua capacidade de ser feliz.
Se na infância, a alegria, a inocência e a felicidade natural com que todos nascemos não for nutrida e estimulada, rapidamente serão substituídas pela dor e o sofrimento e a infelicidade passará a ser a nossa natureza, uma falsa natureza, moldada pelo mundo exterior.
Ao longo da vida, temos a tarefa de redescobrir a felicidade que nos é intrínseca e que constitui nossa verdadeira e única natureza.
Nosso ser interior, aquele que não se deixa machucar, iludir nem destruir pelas circunstâncias exteriores, espera para ser re-descoberto, e trazer de volta a alegria, a paz e a serenidade que tanto desejamos.
Se estivermos dispostos, a cada dia, a descobrir motivos para rirmos e nos sentirmos felizes, apesar das dificuldades e desafios que sempre se apresentam, certamente uma nova face da existência se abrirá para nós, e algo que muitas vezes parecia inatingível, se tornará tão simples e acessível quanto o ato de despertar.
“RISO
Quando uma criança nasce, a primeira atividade social que ela aprende, ou talvez não seja certo dizer aprende, porque ela já traz consigo mesma; é sorrir.
A primeira atividade social.
Sorrindo ela se torna parte da sociedade. Parece muito natural, espontâneo. Outras coisas virão depois; essa é sua primeira centelha de vida de estar no mundo, quando ela sorri. ...
Rir é a primeira atividade social e deve permanecer a atividade social básica.
A pessoa deve continuar rindo por toda sua vida.
Se você puder rir em todo tipo de situação, você se tornará capaz de enfrentá-las e esse encontro lhe trará maturidade.
Não estou dizendo para não chorar. Na verdade, se você não puder rir, você também não pode chorar. Eles estão juntos; eles são parte de um fenômeno: de ser verdadeiro e autêntico.
Existem milhões de pessoas cujas lágrimas secaram; seus olhos perderam o brilho, a profundidade; seus olhos perderam o líquido, porque eles não podem prantear, eles não podem chorar, as lágrimas não podem fluir naturalmente.
Se o riso for frustrado, as lágrimas também serão frustradas.
Só a pessoa que ri bem pode chorar bem. E se você pode chorar e rir bem, você está vivo.
O homem morto não pode rir e não pode chorar. O homem morto pode ser sério.
Observe: vá e olhe para um cadáver; o homem morto pode ser sério de uma maneira mais habilidosa do que você possa ser. Só um homem vivo pode rir e chorar e lamentar.
Esses são humores de seu ser interior, esses são climas enriquecedores. Mas, pouco a pouco, todo mundo esquece. O que era natural no princípio se torna artificial. Você precisa de alguém para lhe provocar o riso, lhe beliscar para o riso; só assim você ri. Eis porque tantas piadas existem no mundo.O riso traz vigor.
Agora, mesmo a ciência médica diz que o riso é um dos mais profundos remédios que a natureza providenciou para o homem.
Se você puder rir quando você estiver doente você obterá logo sua saúde de volta.
Se você não puder rir, mesmo que você esteja saudável, mais cedo ou mais tarde você irá perder sua saúde e você ficará doente.
O riso traz alguma energia de sua fonte interior para a superfície. A energia começa a fluir, segue o riso como uma sombra. Você já observou isso?
Quando você realmente ri, nesses poucos momentos você fica num profundo estado de meditação.
O pensar cessa. É impossível rir e pensar ao mesmo tempo. Eles são diametralmente opostos: ou você ri ou você pensa.
Se você realmente rir, o pensar cessa. Se você ainda está pensando, o riso será apenas passável, será somente assim-assim, retardado. Será um sorriso deformado.Quando você realmente ri, subitamente a mente desaparece.
Até onde conheço, dançar e rir são as melhores, as portas mais naturais e facilmente abordáveis.
Se você realmente dançar, o pensar pára.
Você vai e continua, você gira e gira e você se torna um redemoinho: todas as fronteiras, todas as divisões desaparecem.
Você nem ao menos sabe onde seu corpo termina e onde a existência começa. Você se dissolve na existência e a existência se dissolve em você; há uma sobre-camada de fronteiras. E se você está realmente dançando; não administrando a dança, mas permitindo ela lhe administrar, permitindo-a lhe possuir; se você está possuído pela dança, o pensar pára.
O mesmo acontece com o riso. Se você estiver possuído pela risada, o pensamento pára. E se você conhecer uns momentos da não-mente, esses vislumbres lhe prometerão muito mais recompensas que estão para vir. Você precisa apenas se tornar mais e mais do tipo, da qualidade, da não-mente. Mais e mais, o pensar tem que ser abandonado.
O riso pode ser uma bela introdução para o estado de não-pensar.Na hora que você achar que o sono se foi, primeiro comece a rir, então abra os olhos e isso se tornará uma tendência para todo o dia. Se você puder rir de manhã cedo você irá rir o dia todo. Você terá criado uma cadeia de efeitos; uma coisa leva a outra.
O riso conduz para mais riso.Quase sempre tenho visto as pessoas fazendo exatamente a coisa errada. Desde manhã cedo elas levantam da cama se queixando, mal humoradas, tristes, depressivas, miseráveis. Então uma coisa leva a outra... e por nada. E elas ficam zangadas... isso é muito ruim porque isso irá mudar seu clima por todo o dia, irá fixar um padrão para todo o dia.
Tente isso! Comece e termine seu dia com riso e você verá que, pouco a pouco, entre esses dois, mais e mais riso começa a acontecer.
Osho, Extraído de: A Sudden Clash of Thunder

segunda-feira, janeiro 15, 2007


DESEJOS

Desejo é realização antecipada.
Querendo, mentalizamos;
mentalizando, agimos;
agindo, atraímos;
e atraindo, realizamos.

Como você pensa, você crê
e como você crê, será.

Cada um tem hoje
o que desejou ontem
e terá amanhã
o que deseja hoje.

Campo de desejo,
no terreno do espírito,
é semelhante ao
campo de cultura
na gleba do mundo,
na qual cada lavrador
é livre na sementeira
e responsável na colheita.

Todo desejo, na essência,
é uma entidade tomando
a forma correspondente.

A vida é sempre o resultado
de nossa própria escolha.

André Luiz





Pois, se a vida é o resultado
de nossa própria escolha,
que você possa, então,
bem escolher.

Que suas escolhas sejam
sempre orientadas
pelo Evangelho de Jesus
e, com isso, que cada uma
resulte em benefício para você
e para os que o cercam.

Que sua semana seja
super gostosa, fruto de
todas as escolhas maravilhosas
que, com sabedoria,
você há de fazer.
Mensagem semanal da Casa Espírita Eurípedes Barsanulfo:: Rio de Janeiro

sábado, janeiro 13, 2007



O SOCORRO DO ALTO

Oras e clamas pelo socorro do Alto.

O socorro do Alto, porém, nem sempre te alcança da maneira que desejas.

Antes que obtenha deferimento, cada petição que o homem formula aos Céus é estudado minuciosamente nos tribunais da Divina Justiça.

O doente grave requer imediata internação em leito hospitalar ou mesmo inadiável intervenção cirúrgica...

Nem sempre aquilo de que te crês mais necessitado é o de que mais te revelas carente no momento.

Raciocinando por semelhante postura, quantos já não tiveram as suas rogativas atendidas por Deus e nem se deram conta?

Pediste a solução de determinado problema que te angustiava... O problema, que não pôde ser equacionado de pronto, persistiu, mas algo aconteceu que te fez mudar radicalmente em teu modo de vivenciá-lo.

Solicitaste que te visses livre da presença de certa pessoa em tua vida... Muito embora ela continue vinculada a ti, outras pessoas apareceram e se interpuseram no relacionamento enfermiço entre ambos.

Reivindicaste apoio, por exemplo, contra a inclinação ao hábito de beber, que te degrada... No entanto, se não conseguiste ainda a completa isenção da vontade de alcoolizar-te, adoeceste, e a doença adquirida não mais te permite sequer tomar um trago.

A dor, do ponto de vista espiritual, substitui com vantagem certas preocupações que poderiam se fazer causa de dores maiores.

Frustrações e embaraços, desencantos e obstáculos podem ser, para a criatura humana, a incompreensível resposta das preces por ele encaminhadas ao Criador.

Às vezes, no aparente agravamento de uma situação diante da qual o homem se vê sem forças para reagir, está a intercessão capaz de operar, sem violência, o prodígio de modificá-lo para melhor.
Irmão José

Do livro Dias Melhores ::Psicografia de Carlos A. Bacelli :: Mensagem do Grupo Espírita Renascer:: Iguatama/MG:: Disponível em< http://www.ger.org.br/mensagemsemanal1.htm>

quinta-feira, janeiro 04, 2007


Solidariedade e evolução andam lado a lado
Para viver bem...
Faça por alguém sem esperar algo em troca.
Não importa que nome dê a isso:
caridade,
fraternidade,
solidariedade,
mas faça.
Sempre há alguém necessitando da nossa ajuda,
por mínima que ela seja.
Uma visita a algum enfermo,
uma palavra de encorajamento
a quem resiste a uma doença,
um gesto de incentivo
a quem passa por dificuldades.
Para nós pode ser pouco,
mas para quem recebe
talvez o pequeno gesto
signifique exatamente aquilo que faltava.
Texto extraído do livro Para viver bem... página 160 Editora Petit Autor: Humberto Pazian