Pachelbel - Canon In D Major

quinta-feira, dezembro 31, 2015

E já é Ano Novo, outra vez - Momento Espírita








E já é Ano Novo, outra vez



Quando chega, é sempre pleno de esperanças.


Espera-se o Ano Novo para começar vida nova, para estabelecer novas metas de vida, propósitos renovados para tantas coisas...


É comum as pessoas elaborarem suas listas de bons propósitos para o novo ano.


Mesmo sabendo que o tempo somente existe em função dos movimentos estabelecidos pelo planeta em que nos encontramos, é interessante essa movimentação individual, toda vez que o novo período convencional de um ano reinicia.


Mas, falando de lista de bons propósitos, já se deu conta que, quase sempre, esquecemos o que listamos?


Alguns até esquecemos onde guardamos a tal lista, o que  atesta da  pouca disposição em perseguir os itens elencados.


Ano Novo deve ter um significado especial.


Embora o tempo seja sempre o mesmo, essa convenção se reveste de importância na medida em que, nos condicionando ao início de uma etapa diferente, renovada, sintamo-nos emulados a uma renovação.


Renovação de hábitos, de atitudes, como estar mais com a família, reorganizando as horas do trabalho profissional.


Importar-se mais com os filhos, lembrando-se de não somente indagar se já fizeram a lição, mas participar, olhando, lendo as observações feitas pelos professores nos cadernos, interessando-se pelos conteúdos disciplinares.


Sair mais com as crianças, não somente para passeios como a praia, a viagem de férias.


Mas, no dia a dia, um momento para um lanche e uma conversa, uma saída para deliciar-se com um sorvete.


Outros, para só ficar olhando a carinha lambuzada de chocolate, literalmente afundando-se na taça de sorvete.


Outros, mais longos, para acompanhar o passo vacilante de quem está aprendendo a andar.


Uma tarde para um papo com os que já estão preparando a mochila para se retirar do cenário desta vida, quem sabe, nos próximos meses?


Isto é viver Ano Novo. Sair com amigos, abraçar amigos, sorrir pelo simples prazer de sorrir.


Trocar e-mails afetuosos, não somente os corriqueiros que envolvam decisões e finanças. Usar o telefone para dar um olá, desejar boa viagem, feliz aniversário!


Bom, você também pode fazer propósitos de comer menos doces ou diminuir os carboidratos da sua dieta, visando melhor condição de vida ou simplesmente adequar seu peso.


Também pode pensar em mudar o visual. Quem sabe modificar o corte de cabelo, tentar pentear para outro lado, fazer uma visita ao dentista.
E é claro, um bom check-up. Porque cuidar da saúde é essencial.


Bom mesmo é não esquecer de formular propósitos para sua alma.


Assim, acrescente na lista: estudar mais, ler mais, entender mais o outro, devotar-se a um trabalho voluntário, servir a alguém com alegria e bom ânimo.


Com certeza, cada um terá outros muitos itens a serem acrescentados à lista.


Até mesmo coisas simples como alterar os roteiros de idas e vindas do trabalho-lar-escola.


Ou coisas mais complicadas, como se dispor a pensar um pouco no outro e não exclusivamente em si, no relacionamento a dois.


Imprescindível, no entanto, é que você coloque a lista à vista, para olhar muitas vezes, durante todo o novo ano.


Importante que se lembre de lê-la, para ir acompanhando o que já conseguiu e onde ou em que ainda precisa investir mais, insistindo, até a vitória.


Seja este Ano Novo o ano de concretas realizações na sua vida!




Redação do Momento Espírita. Disponível em www.momento.com.br.

quarta-feira, dezembro 30, 2015

Feliz Olhar Novo - Carlos Drummond de Andrade






Feliz Olhar Novo

Carlos Drummond de Andrade




O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho da sua história.


O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o aqui e agora . Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, chove demais...


Mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia?


Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? Quero viver bem.


O ano que passou foi um ano cheio.


Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Normal.


Às vezes se espera demais das pessoas. Normal.



A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor machucou. Normal.


O próximo ano não vai ser diferente.


Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o que? Acabar com seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança?


O que eu desejo para todos nós é sabedoria
E que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência!


Que todos consigam perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim...


Entender o amigo que não merece nossa melhor parte. Se ele decepcionou, passe-o para a categoria três, a dos colegas. Ou mude de classe, transforme-o em conhecido. Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém.


O nosso desejo não se realizou? Beleza, não tava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra esse momento (me lembro sempre de um lance que eu adoro: cuidado com seus desejos, eles podem se tornar realidade.


Chorar de dor, de solidão, de tristeza faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam diferentes.


Desejo para todo mundo esse olhar especial.


O próximo ano pode ser um ano especial, muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos e dermos a volta nisso. Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro.


O próximo ano pode ser o máximo, maravilhoso, lindo, espetacular... ou... pode ser puro orgulho!


Depende de mim, de você!





Gratidão por tudo que recebemos em 2015 !









Ao término de 2015 agradecemos a Deus, à Jesus , à Mãe Santíssima e aos Benfeitores Espirituais que nos assistiram durante  o ano que chega ao fim e renovarmos os nossos votos de um Ano de 2016 permeado de Saúde, Paz, Alegria e Realizações que dignificam a nossa existência, sob as bênçãos de Jesus ...

Ser feliz - Papa Francisco







Ser feliz 

Papa Francisco 


Você pode ter defeitos, estar ansioso e viver irritado algumas vezes, mas não se esqueça que a tua vida é a maior empresa do mundo.


Só você pode evitar que ela vá em decadência.


Há muitos que te apreciam, admiram e te querem.


Gostaria que te lembrasses de que ser feliz, não é ter um céu sem tempestades, caminho sem acidentes, trabalhos sem cansaço, relações sem decepções.


Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.


Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas também refletir sobre a tristeza.


Não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos.


Não é apenas ter alegria com os aplausos, mas ter alegria no anonimato.


Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.


Ser feliz não é uma fatalidade do destino, mas uma conquista para quem sabe viajar para dentro do seu próprio ser.


Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar actor da própria história.


É atravessar desertos fora de se, mas ser capaz de encontrar um oásis no longínquo de nossa alma.


É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.


Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.


É saber falar de si mesmo.


É ter coragem para ouvir um "não".


É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que seja injusta.


É beijar os filhos, mimar os pais, ter momentos poéticos com os amigos, embora eles possam nos atacar.


Ser feliz é deixar viver a criatura livre, alegre e simples, que vive dentro de cada um de nós.


É ter maturidade para dizer 'enganei-me'.


É ter a ousadia para dizer 'Perdoa-me'.


É ter sensibilidade para expressar 'te necessito'.


É ter capacidade de dizer 'amo-te'.


Que a tua vida se torne um jardim de oportunidades para ser feliz...


Que nas suas primaveras sejas amante da alegria.


Que nos seus invernos seja amigo da sabedoria.


E que quando se engane no caminho, comece tudo de novo.


Pois assim serás mais apaixonado pela vida.


E descobrirás que ser feliz não é ter uma vida perfeita.


Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância.


Usar as perdas para refinar a paciência.


Usar as falhas para esculpir a serenidade.


Usar a dor para lapidar o prazer.


Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.


Nunca desista....


Nunca desistas das pessoas que amas.



Nunca desistas de ser feliz, pois a vida é um espetáculo imperdível!

terça-feira, dezembro 29, 2015

As quatro bolas - Momento Espírita






As Quatro Bolas



Um homem chamado Ganesha tinha quatro filhos.


Quando os filhos estavam em plena adolescência, o pai começou a inquietar-se.


Notou que cada um deles tinha um temperamento e que eram muito diferentes entre si.


O mais velho era calado e apático, sem ânimo para trabalhar, sempre tímido.


O segundo era cheio de manias, teimoso e nunca dava atenção aos conselhos e advertências paternas.


O terceiro, inteligente, hábil e criativo, esforçava-se para prosperar na vida.


O quarto revelava-se arrebatado, violento, impulsivo e desonesto.


Impressionado com aquela inexplicável diversidade de gênios, Ganesha foi procurar um sábio, um eremita de incontáveis virtudes, e consultou-o:


Tenho quatro filhos, que foram educados por mim da mesma forma, com exemplos idênticos e orientados por iguais ensinamentos.


E agora que estão crescidos, o que vejo?

Cada um deles tem um caráter, um gênio.

Como se explica isso, essa diferença entre criaturas que beberam a mesma água, comeram o mesmo arroz, viveram sob o mesmo teto e ouviram as mesmas preces e conselhos?


O sábio levou Ganesha a uma sala ampla, onde havia apenas uma mesa quadrada de ferro e sobre ela estavam colocadas quatro bolas escuras.


Está vendo estas bolas, meu amigo? São rigorosamente iguais na forma, no tamanho, na densidade e na cor, certo?


Sim, poderia jurar que as quatro bolas são iguais.- Respondeu Ganesha.


Pois, bem, as aparências enganam, disse o sábio.


Atire uma a uma, com a mesma força, com o mesmo impulso, de encontro àquela parede.


Ganesha obedeceu, atirando a primeira bola, a qual, com o choque, achatou-se e caiu disforme.


Tomou, a seguir, a segunda bola e arremessou-a à parede, exatamente como fizera com a primeira.


Ao chocar-se com a parede, ficou pregada no lugar em que havia batido e dali não se desprendeu.


A terceira, ao ser lançada como as anteriores, bateu na parede e saltou de novo, perfeita, como se fosse movida por estranha mola segura e firme.


A quarta e última bola, arrojada à parede, deu um estalido forte e fragmentou-se em vários pedaços, que saltaram para todos os lados, ameaçadoramente.


Estas quatro bolas – disse o sábio – são como os filhos de um mesmo pai.


Parecem iguais, mas cada qual tem um caráter, um feitio.


A primeira bola, que bateu na parede e caiu como um molambo, é o filho inútil, moleirão.


O filho teimoso, obstinado, está representado pela segunda bola, que permanece agarrada à parede.


A terceira bola é o filho prestativo e bom que salta radiante para voltar às mãos do pai e servir de novo.


A última bola é a imagem do filho desmancha-prazeres, violento e impulsivo.


*   *   *


Cada ser carrega dentro de si uma bagagem diversa daqueles que o cercam.


Por isso, filhos de um mesmo pai, criados da mesma forma e a quem foram oferecidas as mesmas oportunidades, apresentam-se tão diferentes.


São Espíritos com histórias, conquistas e dores diversas.


Compete àqueles que têm a função de educar ou orientar crianças ou jovens, atentar para essa inegável realidade.


E tirar proveito desse fato que pode servir de recurso de crescimento e progresso para todos aqueles que se encontram agora reunidos, por justas razões, não ignoradas pela Providência Divina.





Redação do Momento Espírita, com base em conto, do livro Contos e lendas orientais, de Malba Tahan, ed.  Nova Fronteira.Disponível em www.momento.com.br

Resolução para o Ano Novo - André Luiz





Resolução para o Ano Novo

André Luiz



Afora tu mesmo, ninguém te decide o destino...


Somos tangidos por fatos e problemas a exigirem a manifestação de nossa vontade em todas as circunstâncias.


Muito embora disponhamos de recursos infinitos de escolha para assumir gesto determinado ou desenvolver certa ação, invariavelmente, estamos constrangidos a optar por um só caminho, de cada vez, para expressar os desígnios pessoais na construção do destino.


Conquanto possamos caminhar mil léguas, somente progredimos em substância avançando passo a passo.


Daí, a importância da existência terrena, temporária e limitada em muitos ângulos porém rica e promissora quanto aos ensejos que nos faculta para automatizar o bem, no campo de nós mesmos, mediante a possibilidade de sermos bons para os outros.


Decisão é necessidade permanente.


Nossa vontade não pode ser multipartida.


Ideia, verbo e atitude exprimem resoluções de nossas almas, a frutificarem bênçãos de alegria ou lições de reajuste no próprio íntimo.


Vacilação é sintoma de fraqueza moral, tanto quanto desânimo é sinal de doença.


Certeza no bem denuncia felicidade real e confiança de hoje indica serenidade futura.


Progresso é fruto de escolha.


Não há nobre desincumbência com flexibilidade de intenção.


Afora tu mesmo, ninguém te decide o destino...


Se a eventualidade da sementeira é infinita, a fatalidade da colheita é inalienável.


Guardas contigo tesouros de experiências acumulados em milênios de luta que podem crescer, aqui e agora, a critério do teu alvitre.


Recorda que o berço de teu espírito fulge longe da existência terrestre.


O objetivo da perfeição é inevitável benção de Deus e a perenidade da vida constitui o prazo de nosso burilamento, entretanto, o minuto que vives é o veículo da oportunidade para a seleção de valores, obedecendo a horário certo e revelando condições próprias, no ilimitado caminho da evolução. [Decisão, E - Cap. XXIV - Item 15]


Afora tu mesmo, ninguém te decide o destino...






XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito André Luiz. Da obra Opinião Espírita.

segunda-feira, dezembro 28, 2015

Começando o Ano - Carlos Drummond de Andrade






Começando o Ano 

 Carlos Drummond de Andrade



Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,

a que se deu o nome de ano,

foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança

fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar

e entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez,

com outro número e outra vontade de acreditar

que daqui para adiante vai ser diferente...

Para você, desejo o sonho realizado.

O amor esperado.

A esperança renovada.

Para você, desejo todas as cores desta vida.

Todas as alegrias que puder sorrir.

Todas as músicas que puder emocionar.

Para você neste novo ano,

desejo que os amigos sejam mais cúmplices,

que sua família esteja mais unida,

que sua vida seja mais bem vivida.

Gostaria de lhe desejar tantas coisas.

Mas nada seria suficiente...

Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.

Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto,

ao rumo da sua FELICIDADE!!!"



domingo, dezembro 27, 2015

Mensagem para o Ano Novo - Momento Espírita






Mensagem para o Ano Novo



No Ano Novo que chega, repleto do amor de Deus, desejamos muitas bênçãos para ti e para os teus.


Que tenhas boa saúde, mesmo que estejas doente, com o pensamento em Jesus levando a vida p'ra frente.


Que possas manter acesa a chama azul da bonança, semeando a fraternidade, a caridade e a esperança.


No ano que chega agora, cheio de oportunidades, que transformes desafetos em felizes amizades.


Tem cuidados pela rota do ano agora nascente, nos esforços p'ra que possas viver bem com toda gente.


Não deixes nunca passar as chances de progredir, sem corromper bons costumes e sem a ninguém ferir.


Estuda firme e trabalha p'ro bem do mundo, onde estejas, pois só gozarás as bênçãos dos valores que projetas.


Pensa melhor na vivência junto aos teus familiares. Educa, ama e orienta, para te felicitares.


Pais, irmãos, esposos, filhos, afins da esfera do ar são-te as preciosas gemas que te cabe resguardar.


Nesse Ano Novo promete a ti mesmo, de verdade, exercitar na família mais atenção e bondade.


Procura passar distante, no tempo que Deus te oferta, das dissipações, dos vícios, na busca da estrada certa.


Cuida melhor do corpinho com que nasceste na Terra, p'ra que não te sintas presa do suicídio que a alma emperra.


Saúda esse novo tempo com paz no teu coração, envolvendo os teus afetos na mais sentida oração.


E se plantares, com fé, as sementes de alegria, teu Novo Ano, então, será de belezas, dia-a-dia.




Redação do Momento Espírita, com base na mensagem Ano Novo, pelo Espírito Sebastião Lasneau, psicografia de Raul Teixeira, em 5.1.1998, na Sociedade Espírita Fraternidade, em Niterói, RJ. Disponível em www.momento.com.br.

sábado, dezembro 26, 2015

Carta de Ano Novo - Emmanuel







Carta de Ano Novo

Emmanuel



Ano Novo é também oportunidade de aprender, trabalhar e servir. 


O tempo como paternal amigo, como que se reencarna no corpo do calendário, descerrando-nos horizontes mais claros para necessária ascensão.


Lembra-te de que o ano em retorno, é novo dia a convocar-te para a execução de velhas promessas que ainda não tivestes a coragem de cumprir.


Se tens inimigos faze das horas renascer-te o caminho da reconciliação.


Se foste ofendido, perdoa, a fim de que o amor te clareie a estrada para frente.


Se descansaste em demasia, volve ao arado de tuas obrigações e planta o bem com destemor para a colheita do porvir.


Se a tristeza te requisita esquece-a e procura a alegria serena da consciência tranquila no dever bem cumprido.


Ano Novo! Novo Dia!


Sorri para os que te feriram e busca harmonia com aqueles que te não entenderam até agora.


Recorda que há mais ignorância que maldade em torno de teu destino.
Não maldigas nem condenes.


Auxilia a acender alguma luz para quem passa ao teu lado, na inquietude da escuridão.


Não te desanimes nem te desconsoles.


Cultiva o bom ânimo com os que te visitam dominados pelo frio do desencanto ou da indiferença.


Não te esqueças de que Jesus jamais se desespera conosco e, como que oculto ao nosso lado, paciente e bondoso, repete-nos de hora a hora: 


- Ama e auxilia sempre. 


Ajuda aos outros amparando a ti mesmo, porque se o dia volta amanhã, eu estou contigo, esperando pela doce alegria da porta aberta de teu coração.




XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Emmanuel . Vida e Caminho. Espíritos Diversos. GEEM.