Pachelbel - Canon In D Major

quarta-feira, junho 30, 2010


Caros amigos, por gentileza divulguem...


Há 8 anos nesta data, o querido médium Francisco Cândido Xavier retornou à Pátria Espiritual.


Nossa gratidão e carinho pelos ensinamentos que nos legou através das obras psicografadas e pelo seu exemplo de vida.


Que Jesus o abençoe !!!



Idéia brilhante!



O Hospital Mário Penna, em Belo Horizonte, que cuida de doentes de câncer, lançou um projeto sensacional que se chama "DOE PALAVRAS".



Fácil, rápido e todos podem doar um pouquinho.



Você acessa o site, escreve uma mensagem e sua frase aparece no telão para os pacientes que estão fazendo tratamento.



Na hora que eles estão lá e, enquanto fazem quimioterapia, podem ler o que escrevemos para ele.


http://www.doepalavras.com.br

segunda-feira, junho 28, 2010



Viver conscientemente


Momento Espírita



Você já pensou na diferença entre viver e existir?

Embora uma análise superficial dos dicionários nos dê a impressão de que os dois termos tem significados iguais, uma busca atenciosa pode sugerir algumas diferenças.

Para viver, basta ter vida. Todos os seres orgânicos vivem.


Para existir já é preciso um certo grau de consciência. É saber retirar da vida o que ela tem de melhor para a evolução do ser.


Um sábio da Antiguidade expressou bem essa ideia sintetizando-a em uma frase célebre: "Penso, logo, existo".


Existir pressupõe uma ação consciente, exige a ação do pensamento.


Existir é ser, estar, permanecer.


Sob esse ponto de vista, podemos nos questionar se existimos de fato, ou simplesmente vivemos. Passamos pela vida de forma quase inconsciente.


Grande parte dos seres humanos passa pela vida sem dar a devida atenção às circunstâncias à sua volta.


Permitimos que a nossa existência se transforme num automatismo pernicioso e paralisante.


É como se, ao acordar pela manhã, ligássemos o piloto automático e nos deixássemos por ele conduzir, sem estar efetivamente desperto.


A tal ponto isso é real que, ao anoitecer, poucos se lembram dos fatos ocorridos no decorrer do dia.


E esse tipo de comportamento é extremamente prejudicial porque nos conduz ao final da vida física sem que tenhamos retirado dela os ensinamentos necessários.


Não é outro o motivo pelo qual as massas são facilmente conduzidas, tangidas pelas ideias dos que pensam e gostam de manipular seres distraídos.


Dessa forma, somos facilmente seduzidos pelos modismos, vícios e os interesses mesquinhos que surgem apontando soluções fáceis mas ilusórias.


Vale a pena darmos outro sabor à nossa vida e passarmos a existir conscientemente: refletindo no que é melhor para nós mesmos e para nossos familiares, amigos e vizinhos; não nos deixando levar por propostas infelizes que só nos farão sofrer mais tarde; procurando conjugar o verbo ser, ao invés de nos atermos somente no ter; analisar as mensagens veiculadas pela mídia, a fim de que possamos retirar as boas ideias e descartar as que complicarão as nossas vidas.


Assim, a opção será sempre nossa: passar pela vida como autômatos ou existir com consciência desperta.


Aquele que opta por viver como outro ser orgânico qualquer, teme a morte física. Mas aquele que existe de forma consciente, passa a aduana do túmulo com lucidez e segue existindo.


* * *


Há pessoas que vivem praticamente do estômago para baixo. Comem, bebem, fazem sexo, torcem para seu time favorito, brigam por ele, dormem e, por fim, morrem.


Esses são os chamados homens fisiológicos.


Só pensam em si mesmos. Encaram o trabalho como uma obrigação e não ensinam a ninguém o pouco que sabem.


E há os homens psicológicos. São aqueles que, sem deixar de atender as funções fisiológicas, tem muita fome intelectual.


Leem bastante, meditam, raciocinam, iluminam a mente com idéias salutares e contribuem positivamente para um mundo melhor.


Seu trabalho é eficiente e geralmente fazem o que podem para ensinar aos colegas tudo o que sabem.


São pessoas que existem de forma consciente. Tem, no dizer de Jesus, olhos de ver e ouvidos de ouvir.


Pense nisso! Mas, pense agora.


Redação do Momento Espírita


Disponível<http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=660&stat=3&palavras=Viver 20conscientemente&tipo=t>

sábado, junho 26, 2010




Perfil do otimismo


Momento Espírita



Quando as andorinhas, bailarinas ligeiras, dançam no ar, coloridas pelos últimos raios do sol poente, o suave calor da primavera anuncia a chegada alegre das flores e da renovação da vida.


Arrebentam-se as fendas dos velhos muros e morros cansados, deixando que os vegetais surjam em variado verdor e os campos largos se exibam com matizados em festa inigualável.


As mãos mágicas do Celeste Pintor saem derramando tintas e perfumes embriagadores em todo lugar, confirmando seu inefável amor por Suas criaturas.

Os córregos cantam com as águas apressadas e as cachoeiras arrebentam cristais nas pedras resignadas, que os recebem felizes.


Há uma revolução geral, e os dias frios partem, deixando as lembranças tristes sepultadas sem saudades.


Revoadas de aves alegres, incessantemente, bordam os céus com imagens sucessivas de beleza incomum.


A primavera é o otimismo da natureza cantando o poema da estesia de Deus. Enquanto se repita, a aliança de amor permanece entre o homem descuidado e seu Pai zeloso, sustentando a esperança.


Apesar disso, muitas criaturas desanimadas deixam de fitar a claridade do dia primaveril, mergulhadas na noite das suas paixões.


Preferem olhar o chão onde permanece o lodo, a contemplar o alto onde fulguram as estrelas. Por isso, tornam-se torpes, amarguradas, perturbadoras.


A vida humana, qual ocorre com a da natureza, passa por quadras variadas que se sucedem em ordem de grandeza, servindo uma de base à outra, indispensáveis à harmonia de conjunto.


A noite, que convida ao repouso, enseja a reflexão para o dia, que propicia a ação.


O inverno, que parece destruidor, também enseja a preservação da energia, que estrugirá em vida na primavera.


A criatura humana é o mais grandioso investimento de Deus na Terra, e ser otimista quanto ao futuro, mesmo que haja dificuldades no presente, é o mínimo que lhe cabe, como afirmação da sua realidade e gratidão ao seu Criador.


Quem pretende conservar tristeza no coração, encontrará sempre motivos falsos para sustentá-la, acalentando a queixa, cultivando a desdita e nutrindo-se da insatisfação.


O otimismo é gerador de adrenalina emocional, que estimula o sangue, impulsionando ao avanço, à alegria fomentadora da ação.


Cultivando-o nos sentimentos, adquire-se visão para penetrar o lado oculto ou sombrio das ocorrências e entusiasmo para não desfalecer ante os primeiros insucessos da marcha, prelúdios das vitórias futuras.


Quem não possui capacidade para sustentar com valor os embates fracassados, não tem condições para viver as grandes e decisórias batalhas.


Nos céus dos que amam e confiam em Deus com otimismo, sempre haverá andorinhas bailando em prenúncio de gloriosas primaveras.


* * *


O homem deve impor-se a tarefa de abrir janelas de otimismo nas salas onde dominam tristezas e arejar espaços escuros de pessimismo mediante o aroma da esperança.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. Perfil do otimismo, do livro Perfis da vida, pelo Espírito Guaracy P. Vieira, psicografia de Divaldo P. Franco, ed. Leal, e no verbete Otimismo, do livro Repositório de sabedoria, v.2, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo P. Franco, ed. Leal.Disponível no CD Momento Espírita, v. 2, ed. Fep.


Disponível <http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=791&stat=3&palavras=otimismo&tipo=t>



O otimismo é força criadora


Momento Espírita



Recentemente, lemos algumas frases que nos chamaram atenção. Tratava-se de idéias de um escritor afirmando que, quanto mais pessimistas haja, melhor, já que esses é que mudarão o mundo, uma vez que, para os otimistas, o mundo está ótimo.


De duas, uma: ou o escritor não sabe o significado dos termos pessimismo e otimismo, ou está tentando sofismar.


Pessimismo, segundo os dicionários, é opinião ou sistema dos que acham tudo péssimo ou de tudo esperam o pior.


Otimismo é o sistema de julgar tudo o melhor possível; tendência para achar tudo bem.


Ora, em nenhum momento se pode deduzir que o otimista seja um ser passivo, inerte, que nada move para melhorar a situação. O otimista é aquele que percebe que as coisas não estão bem, mas sabe que poderão melhorar e faz a sua parte.


Já o pessimista, que de tudo espera o pior, não vê à sua frente senão abismos e trevas. Tudo para ele está péssimo e não há nada que se possa fazer para melhorar.


Há um desenho animado que retrata muito bem esse tipo. Trata-se de uma hiena, Hardy, da dupla Lippy e Hardy. Ela sempre aparece dizendo: Oh vida! Oh dia! Oh azar!


Quando Lippy, o seu companheiro leão a convida para fazer alguma coisa, Hardy, imediatamente expressa sua posição de derrota dizendo: Isso não vai dar certo!
O otimista, por sua vez, se percebe que o mar está revolto, que o barco pode naufragar, sempre encontra motivos para continuar lutando e, geralmente, logra êxito.


Dessa forma, é fácil deduzir que, se alguém pode modificar o mundo para melhor, deve primeiro acreditar que o mundo pode ser melhorado, e esse alguém só pode ser um otimista, jamais um pessimista, que considera o mundo péssimo, caminhando para pior.


Assim sendo, não nos deixemos levar por sofismas que, sem uma análise mais detida, podem parecer verdadeiros.


O otimismo gera entusiasmo, e o entusiasmo é gerador de confiança em si mesmo.


Enquanto o pessimista vê, na semente enterrada no solo, apenas a podridão, o otimista percebe a vida prestes a eclodir.


Enquanto o pessimista senta e observa as sombras que o circundam, o otimista abre as janelas da esperança e vislumbra adiante a claridade que logo mais o envolverá.


Enquanto o pessimista entra, em cada crepúsculo, no mesmo cemitério para lastimar a morte, o otimista escala, em cada amanhecer, a cerca de um jardim para aspirar o perfume de novas flores.


* * *


Otimismo é estímulo para o trabalho, vigor para a luta, saúde para a doença das paisagens espirituais e luz para as densas trevas que se demoram em vitória momentânea.


Redação do Momento Espírita com base no livro As forças morais, de José Ingenieros e no verbete Otimismo, do livro Repositório de sabedoria, v. II, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal..


Disponível <http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=441&stat=3&palavras=otimismo&tipo=t>



Otimismo
Momento Espírita


“Psicólogos começam a entender o que faz o homem feliz”, este é o título de reportagem publicada por um jornal americano de Boston.

“Martin Seligman, professor de psicologia da Universidade da Pensylvania, visto como o pai da psicologia positiva, acredita que uma atitude otimista é fundamental para a felicidade e que as pessoas podem aprender a ser assim...

Depois de trinta anos de pesquisas sobre o assunto, Martin afirma que as pessoas otimistas tendem a minimizar as causas de seus problemas e se acham responsáveis por todas as coisas boas que acontecem em suas vidas.”

Diz ainda que “os pessimistas culpam a si mesmos por tudo que dá errado.”

Portanto, o ideal é não alimentar tristezas, nem desencantos. Mesmo que os quadros de sofrimentos cresçam no caminho que estamos percorrendo.

Guardemos a certeza: quando tudo parece perdido, surge sempre uma solução inesperada, embora nem sempre do jeito que se pensava. Alimentar pessimismo de nada nos valerá. Sombras não se modificam com sombras.

É a luz que estabelece a claridade na paisagem e espanca as trevas.

O pântano somente se modifica quando drenado.

Estabeleçamos para nós mesmos a tarefa de abrir janelas de otimismo nas salas onde dominam tristezas.

Arejemos os cantinhos escuros do pessimismo com o aroma da esperança.

O pessimismo é doença que provoca doença grave porque se sofre por antecipação por alguma coisa, que muitas vezes nem chega a acontecer.

Não nos cansemos, pois, sob o peso da nostalgia. Nem nos permitamos entorpecer pelos tóxicos das frustrações que todos experimentamos. Entreguemo-nos a Deus e nos deixemos conduzir tranqüilamente.

Com otimismo guardaremos estímulo para o trabalho, vigor para a luta, saúde para a doença das paisagens espirituais e luz para a escuridão que se demora em nós e ao nosso redor.

Nas duas traves da cruz, quando tudo parecia perdido, Jesus nos deixou excelente lição de otimismo.

Morreu para ressurgir em gloriosa madrugada de imortalidade, que até hoje é o Canto Sublime e a rota segura, cheia de alegrias para todos nós.

***

Tenhamos em mente que a luz de Jesus é o clarão que nos aponta o futuro.

Por isso mesmo, não agasalhemos o medo em circunstância alguma.

Se as trevas em forma de calúnia, dor ou perda tentar nos envolver em suas malhas escuras, ergamos a lâmpada do otimismo.

Em nossas orações, aprendamos a pedir a Deus não uma vida sem problemas, mas sim ombros fortes para carregar o fardo bendito das obrigações que nos competem.

E quando o dia parecer muito escuro, recordemos os dias de luz que já vivemos, usufruímos e com os quais nos alegramos. Essas lembranças iluminarão as horas do nosso hoje.

Fonte: Convites da vida – cap. 33 Serviço Espírita de Informações – nº 1672 – pag. 2 – Notas da grande imprensa – Otimismo

quinta-feira, junho 24, 2010



Sorria sempre, mesmo quando ainda não tiver motivos para isso. Sorrir ilumina a alma


Por Roberto Recinella


Podia falar da importância de sorrir no processo de libertação das endorfinas e dos mecanismos que desencadeia algumas reações fisiológicas, de que acionamos 72 músculos para franzir a testa e apenas 14 para sorrir (no mínimo rejuvenesce) e outras teorias, mas não me interessa muito dissecar algo que é sempre melhor sentir em sua plenitude.



Você já percebeu que a maioria dos sorrisos começa perto de outro sorriso!


O sorriso é uma das características que nos distingue.


Um simples sorriso pode deixar-nos tão felizes...


Incutir-nos esperança, ajudar-nos a sonhar e a vencer os obstáculos diários que a vida teima em colocar enviesados em nosso caminho, enfim, um sorriso espontâneo, caloroso, sincero digno da expressão de contentamento, contagia-nos e transporta-nos para outra dimensão...


Um sorriso pode ser um salubre remédio contra aqueles dias cinzentos, o sustentáculo da felicidade que queremos alcançar...


O sorriso traduz, geralmente, um estado de alma; é um convite a entrar na intimidade de alguém, a participar do que lhe é íntimo.


É por isso que o homem é o único animal que sorri, e como é dotado de inteligência e vontade pode sorrir quando tudo vai bem ou sorrir mesmo quando as coisas não corram tão bem – tudo se resume à harmonia interior.


Sorrir é no mínimo um ato de respeito e empatia com o próximo, pois através dele reconhecemos o outro como pessoa.


Com um sorriso sincero podemos mudar o mundo, colocando o amor, respeito, autoconfiança e esperança no centro da vida humana ao invés do egoísmo ou o interesse pessoal.


O poder do sorriso é grande, e saber sorrir é algo de muito importante.


Antoine de Saint-Exupéry diz: "No momento em que sorrimos para alguém, descobrimo-lo como pessoa, e a resposta do seu sorriso quer dizer que nós também somos pessoa para ele".


A atração do sorriso é indiscutível, onde há alguém sorrindo sempre haverá alguém por perto. O sorriso é algo que pluraliza e multiplica as relações.


Ao contrário, quando se aproxima de alguém com a expressão facial séria, normalmente os filhos entram para os seus quartos, ou colaboradores não saem de seu ambiente de trabalho e a conversa pára por ali.


Desnecessariamente ninguém se aproxima de alguém com a face séria ou que pareça estar aborrecido com algo, se o sorriso atrai, ao contrário pode-se dizer que sua falta repele.


Mesmo quando a vida está sendo dura; mesmo sendo difícil, é preciso sorrir.


Vivemos sempre tão ocupados que mal olhamos para as outras pessoas, mesmo aquelas que nos são caras, mesmo as de nossa família; mal olhamos para nós mesmos.


A sociedade está organizada de tal modo que, mesmo tendo tempos de lazer, não sabemos aproveitá-lo para entrar em contato conosco. Inventamos milhares de formas de desperdiçar esse tempo precioso: ligamos a TV, falamos ao telefone, saímos á esmo de carro para ir a qualquer lugar e com isso vamos nos afastando de nós mesmos cada vez mais.


A princípio você pode achar difícil sorrir, e nesse caso deve considerar o porquê.


Sorrir significa nossa essência, que estamos sendo nós mesmos, que estamos tendo soberania sobre o nosso destino, que não estamos mergulhados no esquecimento interior.


Não existem falsos sorrisos, estes se comparam as dentaduras ou implantes de cabelo, pois, são facilmente reconhecíveis pela sua artificialidade.


O sorriso ilumina a alma, pois permite que a luz penetre na escuridão interior que cada um de nós carrega em um pedaço do seu ser, ajudando assim a diminuir as sombras e medos interiores.


Você já observou o quanto às crianças sorriem, em qualquer local ou para qualquer pessoa que se dirigem sempre estão sorriso.


Do mesmo modo observe como as pessoas depois de adultas ainda sorriem despretensiosamente para os cães e as crianças, parece que ainda existem resquícios em nossos corações para alimentar este sorriso espontâneo.


Mas você deve estar se questionando:


Será que esse cidadão mora no mesmo mundo do que eu?


Ou em algum mundo paralelo junto com a Alice, o Gato Risonho, a Lagarta, Lebre Maluca e o Chapeleiro Louco da obra “Alice no País das Maravilhas” de Lewis Carroll.


Em que mundo eu estou vivendo?


Será que é o mesmo mundo que o resto das pessoas?


Como será possível alguém sorrir perante os sofrimentos da vida?


Quando somos vitimados por doenças graves ou acidentes que nos mutilam?


Como sorrir, quando somos incompreendidos no meio em que vivemos, dentro do próprio lar, nos ambientes de trabalho?


Se você quiser trazer amor e equilíbrio em sua vida, em seus relacionamentos e em seu mundo, procure manter a meta de praticar três coisas com as pessoas que encontram durante o dia, sejam membros da família ou colegas de trabalho.
Primeira sempre encontrá-las com um sorriso na face.


Todos vocês sabem como sorrir?


Mesmo se alguém estiver com alguma atitude de raiva ou agressividade, ainda assim procurem manter o seu sorriso.


Procurem aquietá-lo com um sorriso bastante pacífico.


Não reajam, apenas sorriam e acalmem essa pessoa que está irritada.


Isto irá ajudá-la. Segunda coisa é sempre dar felicidade a quem vocês encontrarem e terceira é manter seu coração feliz.


Observe que as duas ultimas metas derivam da primeira, se voce não conseguir praticar a primeira meta, será praticamente impossível atingir as demais, enfim o sorriso é o segredo, afinal o segundo o ditado popular “O sorriso é o espelho da alma”.


O técnico Koide Yoshio, da maratonista japonesa Takahashi Naoko, que conquistou a medalha de ouro nas Olimpíadas de Sidney em 2000, ensinou a maratonista o seguinte:


"Nunca faça cara feia, treine sorrindo".


Sempre que se deparar com algum sofrimento, sorria para ele.


Pense que poderia ser pior e agradeça por isso.


Caso contrário estará inibindo as suas qualidades e possibilidades de superação.


O melhor de você só poderá ser extraído dentro de um estado harmônico criado pelo sorriso, jamais de um modo carrancudo, tenso ou embravecido.


O Sorriso é a expressão mais bonita que o ser humano tem, nos traz forças e esperanças, é linguagem universal, tem reflexos por toda parte.


Aceitar ou não é uma questão de opção, mudar ou não é uma questão de querer, fazer ou não é uma questão de atitude.


Sorrir é uma questão de atitude, depende exclusivamente de você.


Sucesso !!!


Nós Acreditamos em você !!!


Disponível<http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/sorria-sempre-mesmo-quando-ainda-nao-tiver-motivos-para-isso-sorrir-ilumina-a-alma/23613/>


quarta-feira, junho 23, 2010



Doe palavras


Momento Espírita




A tecnologia dos tempos atuais presenteia-nos, por vezes, com oportunidades inigualáveis.


Você já pensou em doar palavras de consolo, de amizade, de incentivo?


Pois é, hoje isso já é possível - doar palavras.


Um hospital brasileiro, especializado no tratamento a pacientes com câncer, lançou uma campanha inspiradora. Chama-se: Doe palavras.


Qualquer um de nós acessa o site da instituição e lá encontra o convite: enviar palavras de fraternidade aos pacientes atendidos pelo hospital.


Digita-se uma mensagem curta e, dentro de algum tempo, essas palavras chegam ao ambiente de tratamento, através de televisores espalhados por todo hospital.


As mensagens aparecem sempre com assinatura, assim, os pacientes podem saber quem as endereçou e quando o fez.


As frases são belíssimas, inspiradas, amorosas, mostrando uma face de nosso povo que, por vezes, permanece desconhecida - a face da fraternidade.


Eis alguns exemplos:


Muita fé, esperança e coragem. Amanhã será melhor do que hoje. Um beijo para cada um de vocês! Enviada por Victoria.


Esteja em paz com você mesmo. Esse é o único caminho da vida. Acredite, ame e fique em paz, tudo vai melhorar. Enviada por Alexandre.


A maior fortaleza do homem é resistir aos impactos da vida. Levantar a cabeça e seguir em frente sem ressentimentos. Enviada por Felipe.


Recebam uma vibração calorosa em seu coração. Tenham uma boa noite! Enviada por José.


Uma após outra vão surgindo nas telas de projeção do centro médico, mostrando que as pessoas ainda se importam umas com as outras.


Milhares de quilômetros de distância desaparecem.


Alguém do outro lado do mundo poderá acessar, escrever, e dizer: Eu me importo com você. Ou ainda: Eu sei o que você está passando, pois já passei por isso. Força, amigo!


Os pessimistas de plantão poderão dizer que a tecnologia está nos afastando uns dos outros, mas esta é uma das muitas provas do contrário.


Se a vontade e o coração desejarem, a tecnologia opera milagres no bem.


É exatamente isso que o projeto: doepalavras.com.br busca alcançar.


Segundo eles mesmos explicam, esse é o objetivo do projeto: usar a inteligência coletiva para gerar um grande fluxo de mensagens do bem, e levar toda essa força para dentro do hospital.


Vale a pena participar. Vale a pena criar movimentos que aproximem as pessoas.
É tempo do bem mostrar a sua força.


* * *


O Espírito Emmanuel, através da psicografia do inesquecível Chico amor Xavier, afirma:


Nem todos conseguimos subordinar as palavras aos princípios gramaticais, a fim de articular uma alocução irrepreensível do ponto de vista idiomático, ao redor de assunto determinado.


Todavia, a possibilidade de pronunciar essa ou aquela frase de consolo e esperança, a benefício dos companheiros que estão suportando sofrimentos e provações maiores do que as nossas, não exclui ninguém.


Redação do Momento Espírita com trecho da obra Caminho iluminado,pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Céu e informações colhidas no site

http://www.doepalavras.com.br/.

Disponível <http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=2644&stat=0>


terça-feira, junho 22, 2010



Culpas e desculpas


Momento Espírita


Você já refletiu sobre o que representa a culpa em nossas vidas?


Não há dúvida de que o sentimento de culpa é um dos grandes responsáveis por nossa infelicidade.


Quando fazemos algo que nos causa um desconforto íntimo pertinaz, é bem provável que seja a culpa se instalando.

Mas o que fazer para que esse sentimento não se aloje em nossa intimidade e nos traga fortes dissabores?


Parece lógico que a melhor atitude é a que elimina, em definitivo, esse desconforto de nossa alma.


E que atitude poderia ser mais eficaz do que um sincero pedido de desculpas?


Todavia pedir desculpas significa admitir que nos equivocamos, e isso mexe diretamente com nosso orgulho.

O que geralmente fazemos, então?

Ficamos remoendo o desconforto e buscamos alguém a quem culpar pela atitude que nossa consciência desaprova.


Não seria mais coerente pedir perdão?


Logicamente seria, mas o orgulho muitas vezes nos impede.


O que fazemos, então?

Preferimos nos punir de outra maneira. E geralmente optamos pelas enfermidades...


A consciência nos acusa, mas em vez de resolver a questão com a humildade de um aprendiz, preferimos a autopunição velada.


Em vez de pedir perdão, optamos pelo sofrimento. Em vez de aliviar a alma admitindo que somos frágeis e nos equivocamos, preferimos nos esconder sob a máscara de uma perfeição da qual ainda estamos distantes.


Por não admitir as nossas próprias fraquezas, também não as admitimos nos outros, e agimos com um rigor desmedido, infelicitando-nos e infelicitando os que conosco convivem.


Mais sensato seria reconhecer que somos aprendizes da vida, e que todo aprendiz tem o direito de errar, mas tem também o dever de corrigir o passo e seguir em frente.


Como aprendizes da vida, não estamos isentos do erro, da queda, das fragilidades que caracterizam a nossa condição de alunos imperfeitos.


Assim sendo, vale a pena agir como quem deseja crescer, aprender, ser feliz. E para isso é preciso saber pedir perdão, saber perdoar, saber tolerar...


Só não admite erros a pessoa que se julga infalível, perfeita, acima do bem e do mal. E essa, certamente é uma pessoa infeliz.

Se quisermos aprender a ser mais leves e menos presunçosos, observemos as crianças. Elas não têm vergonha de pedir desculpas, não guardam mágoa nem rancor.


Quando se machucam, elas choram... Pedem socorro, reconhecem sua fragilidade...


Se não conseguem alcançar algo, pedem ajuda. Para entender as coisas, perguntam várias vezes.


Quando sentem medo, admitem. Pulam no colo mais próximo ou se enroscam no pescoço do amigo ou irmão mais velho.


Isso se chama humildade, isso se chama pureza. Isso se chama sabedoria.


É por isso que as crianças aprendem. Elas não têm vergonha de ser aprendizes da vida.

* * *

O sentimento de culpa é um detrito moral que fustiga a alma. A pessoa que carrega esse fardo, sofre e não admite ser feliz.


Assim sendo, se você não tem a pretensão de ser infalível, perdoe-se, peça perdão, liberte-se desse lixo chamado culpa, e siga em frente.

Texto de Redação do Momento Espírita.


Disponível



O poder da oração


Momento Espírita


Dentre as muitas boas histórias relatadas em Seleções Reader´s Digest, uma nos chamou a atenção pelos ensinamentos que contém.

Seu autor, já homem feito, refletindo sobre o poder da oração, lembra-se de quando ainda era apenas um garotinho.

Conta ele que, certa manhã de primavera, sua mãe o vestiu na sua fatiota domingueira e lhe recomendou para que não saísse além dos degraus da porta da frente pois, em poucos minutos, iriam visitar sua tia.

O menino esperou pacientemente até que o filho do vizinho da esquina se aproximou e lhe disse um palavrão.

Então, ele pulou os degraus e se atracou com o outro até caírem ambos numa poça de lama.

Sua blusa branca ficou enlameada e a meia com um rasgão sangrento na altura do joelho.

Lembrou-se da advertência da mãe e começou a berrar desesperadamente.

Sua dor, porém, acabou quando ouviu o barulho do sorveteiro que anunciava em altos brados o seu produto.

Esqueceu a desobediência e correu a fim de pedir dinheiro à mãe para comprar um sorvete.

Diz ele que nunca pôde esquecer a resposta que recebeu da mãe:

Olhe para você mesmo! Você não está em condições de pedir nada.

Foi mergulhado nessas lembranças que o autor fez um paralelo com a nossa posição diante de Deus, quando oramos pedindo alguma coisa.

Antes de invocarmos o auxílio de Deus, necessitamos voltar o olhar para nós próprios e verificar se estamos ou não em condições de pedir algo.

Para que Ele nos ajude, é preciso que façamos a nossa parte conforme prescreve o Evangelho: Ajuda-te que o Céu te ajudará.

O mal da maioria dos que rogam bênçãos é que não são honestos para com Deus.

É comum implorarmos graças celestes, estando de relações cortadas com familiares, amigos, vizinhos...

Quando buscamos a Ajuda Divina é preciso que preparemos o coração adequadamente. É inútil pedir amparo com o coração cheio de inveja, de ciúme, de malquerença, de ódio e de outros detritos morais.

Nesse caso, se realmente desejamos pedir algo, que peçamos forças para vencer essas misérias da alma.

É comum rogarmos a Deus que nos dê saúde e, por outro lado, acabarmos com ela com o vício enfermiço do cigarro, da gula, do trago infeliz, das noitadas de orgias entre outros abusos.

Importante que meditemos um pouco mais a respeito da nossa real vontade de receber Ajuda Divina, uma vez que Deus sabe das nossas intenções mais secretas.

* * *

Antes de buscar ajuda através da prece, olhe para você mesmo e veja se está em condições de pedir alguma coisa.

Verifique se está fazendo a parte que lhe cabe.

Se o templo do seu coração está devidamente limpo e arejado para receber as bênçãos do Criador.

Lembre-se sempre da recomendação: Ajuda-te que o Céu te ajudará.

A condição é que nos ajudemos primeiro, fazendo a nossa parte, para depois merecer a ajuda do Alto.

Importante que entendamos bem os mecanismos da oração: pedir, saber pedir e, acima de tudo, merecer.

Redação do Momento Espírita com base em artigo da revista Seleções Reader’s Digest, de abril de 1951.

Disponível <>

segunda-feira, junho 21, 2010



PREOCUPAÇÕES


André Luiz


Não se aflija por antecipação, porquanto é possível que a vida resolva o seu problema, ainda hoje, sem qualquer esforço de sua parte.


Não é a preocupação que aniquila a pessoa e sim a preocupação em virtude da preocupação.


Antes das suas dificuldades de agora, você já faceou inúmeras outras e já se livrou de todas elas, com o auxílio invisível de Deus.


Uma pessoa ocupada em servir nunca dispõe de tempo para lembrar injúria ou ingratidão.


Disse um notável filósofo: "uma criatura irritada está sempre cheia de veneno", e podemos acrescentar: "e de enfermidade também".


Trabalhe antes, durante e depois de qualquer crise e o trabalho garantirá sua paz.


Conte as bênçãos que lhe enriquecem a vida, em anotando os males que porventura lhe visitem o coração, para reconhecer o saldo imenso de vantagens a seu favor.


Geralmente, o mal é o bem mal-interpretado.


Em qualquer fracasso, compreenda que se você pode trabalhar, pode igualmente servir, e quem pode servir carrega consigo um tesouro nas mãos.


Por maior lhe seja o fardo do sofrimento, lembre-se de que Deus, que agüentou você ontem, agüentará também hoje.


XAVIER, F.C.Pelo Espírito André Luiz - Do livro "Sinal Verde", cap. 25, edição CEC


Acerto de contas


Momento Espírita



O Espiritismo ensina que as Leis Divinas encontram-se inscritas na Natureza e na consciência de cada Espírito.


Quem se dedica a observar o mundo que o cerca, consegue assimilar o teor de tais Leis.


Entretanto, o guia mais seguro é a consciência.


Durante um tempo, o egoísmo logra turvar a percepção do estatuto Divino.


O egoísmo origina-se da identificação com a matéria.


Quanto mais sintonizado com os prazeres materiais, mais dificuldade tem o homem em ser abnegado.


Nos círculos inferiores da vida, o egoísmo representa condição de sobrevivência.


Os seres irracionais ocupam-se apenas com sua manutenção.


Quando famintos, os animais carnívoros simplesmente caçam e matam.


Se não forem hábeis e insensíveis à dor da presa, eles e seus filhotes morrem.


Um egoísmo muito marcante constitui sinal de pouca evolução.


Quem só consegue pensar no próprio bem-estar assemelha-se às feras da Natureza.


O mundo gira em redor de seu umbigo e ele não se incomoda em causar dores e desgraças aos semelhantes.


Entretanto, os Espíritos são dotados de liberdade, consciência e vontade.


Conseqüentemente, respondem por seus atos.


Nenhum ser pode dar o que não tem.


Não se esperam ações éticas de animais, pois isso está além de sua capacidade.
Mas os homens têm condições de agir com base em parâmetros éticos.


Justamente por isso, seus atos não podem ser ditados exclusivamente pelo interesse pessoal.


Os eventos dolorosos da Natureza, como a dor, a doença e a morte, são universais.


Ninguém escapa de experimentá-los, em maior ou menor grau.


A inteligência humana possibilita assimilar a essencial igualdade de todos os homens.


Essa similaridade demonstra que ser solidário é um dever elementar em face da vida.


Com o passar dos séculos, gradualmente o Espírito se compenetra dessa realidade.


Tudo o que se refere à matéria é passageiro.


Entretanto, ele possui uma consciência que sempre o acompanha.


Cada dor deliberadamente causada ao próximo nela está registrada.


As leviandades, as humilhações infligidas, tudo isso gera dor e arrependimento.


Quanto mais vivido e experiente, mais responsável é o Espírito.


Chega um momento em que o ser espiritual se desgosta do mal.


Farto de erros e baixezas, ele decide trabalhar pelo próprio aperfeiçoamento.


Então, prepara para si encarnações nas quais possa se recompor com o passado.


Não mais se preocupa com facilidades materiais.


Riqueza, beleza e poder já não lhe interessam.


Quando assume elevadas posições é apenas no intuito de melhor trabalhar para o semelhante.


O que conta mesmo é a perspectiva de se recompor perante as Leis Divinas.


À medida que perde o gosto pelas coisas materiais, o egoísmo o abandona.


Desembaraçado de preocupações mesquinhas, caminha vigorosamente para a libertação e a transcendência.


Dificuldades não o assustam, pois sua meta é elevada e sua esperança no futuro é infinita.


* * *


Se você enfrenta graves problemas e dores, talvez tenha chegado o momento de seu acerto de contas.


Não complique a sua programada recuperação espiritual com preguiça e revolta.


Consciente da transitoriedade da vida na Terra, dedique-se a conquistar o que é permanente.


Combata seu egoísmo e esforce-se por agir no bem com desinteresse.


A melhor forma de ser feliz é cuidar da felicidade do próximo.


Pense nisso.


Equipe de Redação do Momento Espírita.


Disponível <http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=1561&let=&stat=0>


sábado, junho 19, 2010


Confiança


Momento Espírita




A confiança nas próprias forças enche o homem de coragem e disposição para lutar.


Quem não acredita em si mesmo assume uma postura derrotista.


Antes mesmo de tentar, já admite a derrota.


Todo empreendimento pressupõe planejamento, estratégia e trabalho a ser realizado.


Mas a confiança da possibilidade da vitória é imprescindível para que ela ocorra.


Alguns percalços sempre surgem na realização de uma obra de vulto.


O pessimista vê neles uma confirmação de sua incompetência.


O otimista procura aprender com o malogro, faz ajustes na rota, mas persiste no propósito.


A confiança não é necessária apenas em relação a aspectos materiais da existência humana.


Ela também é imprescindível em questões morais e espirituais.


Muitas pessoas não se dedicam ao burilamento de seu caráter porque acham isso impossível.


Acreditam que seus vícios são herança genética e se conformam com eles.


Assumem que a gula, o egoísmo, a preguiça e a maledicência são características suas.


Imaginam que defeitos morais são imutáveis como a cor dos olhos e a altura.


Entretanto, estão errados.


O corpo não dá defeitos e virtudes a ninguém.


Se fosse assim, a santidade seria apenas um acidente da natureza e não representaria nenhum mérito.


Do mesmo modo, a crueldade e a violência seriam mera decorrência da organização física.


O Espiritismo ensina que todos os Espíritos são anjos em potencial.


Possuem em germe todas as virtudes, mas cada um deve trabalhar para desenvolver seus talentos e habilidades.


A transição da ignorância para a angelitude constitui um caminho muito longo.


Ele pressupõe inumeráveis encarnações para completar-se.


No processo evolutivo, o Espírito às vezes erra e às vezes acerta.


Gradualmente, vai ganhando lucidez e tornando-se mais assertivo.


Sempre é necessário reparar os estragos causados nas experiências infelizes.


Entretanto, a cada nova experiência o Espírito acumula aprendizado e amplia as possibilidades de agir corretamente.


Habilidades intelectuais e artísticas, virtudes e afinidades constituem a herança do que se viveu.


Mas também velhos hábitos equivocados deixam sua marca.


Assim, as tendências atuais, boas ou más, são o resultado de experiências do passado.


Se um homem é violento, a violência não decorre de seu físico, mas de seu Espírito.


Um Espírito pacífico e equilibrado não será violento, mesmo se animar um corpo de aparência extremamente rude.


Assim, é importante assumir a integral responsabilidade pelo que se é.


Quaisquer que sejam suas características, você se construiu assim.


Mas está inteiramente em suas mãos modificar-se.


Seu destino é a angelitude.


Todas as virtudes dos anjos encontram-se latentes em você.


Compenetre-se dessa verdade e assuma que se tornar alguém maravilhoso depende apenas de sua vontade, de seu esforço.


Certamente não é fácil romper com velhos hábitos.


Calar a maledicência, cessar o julgamento leviano do próximo, domar a gula, disciplinar a sexualidade, tudo isso exige uma boa dose de esforço.


O mesmo se dá com o desenvolvimento da compaixão, do gosto por leituras sérias e por conversas construtivas.


Entretanto, é possível.


Você foi criado para ser um anjo pleno de amor e sabedoria.


Tenha confiança em seu luminoso destino e lute bravamente para atingi-lo.


Só depende de você.


Redação do Momento Espírita.


Disponível <http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=1526&stat=3&palavras=confia%20sempre&tipo=t>



Nuvens que passam


Momento Espírita


O dia amanhecera ensolarado. Nos quintais, a criançada se divertia, correndo, rindo esse riso solto de quem sonha venturas.

De repente, o vento se fez forte, açoitando a copa das árvores, arrancando-lhes folhas da cabeleira verde e espessa, jogando-as à distância.

Parecia que, de repente, a natureza houvesse enlouquecido e, desgrenhada, uivasse pelas ruas e praças, obrigando os transeuntes a procurarem abrigo.

O céu se cobriu de nuvens escuras, prenunciadoras de chuvas e o dia se fez noite, em plena manhã.

Depressa se fecharam janelas, se recolheram pertences.

Dos céus jorraram águas abundantes, fustigadas pela ventania, que as arremessava, com força inclemente, contra as casas, os muros, as grandes árvores.

Foram somente alguns minutos. Depois, os relâmpagos se apagaram e a chuva parou.

Uma grande quietude invadiu a natureza. A ramagem verde sacudiu as últimas gotas d´agua, o vento bocejou cansado, recolhendo-se.

Algumas horas passadas e o sol voltou a sorrir raios de calor e luz.

Quem olhasse para o céu iluminado, dificilmente acreditaria que há pouco a borrasca se fizera violenta.

* * *

Assim também é na vida.

Os momentos de lutas e de bonança se alternam.

Quando o sofrimento chega, em forma de enfermidade, solidão, desemprego, morte dos afetos mais chegados tamanha é a dor, que deixa em frangalhos o coração.

Acreditas que não haverá mais esperança, nem amanhã, nem alegrias. Nunca mais.

Tudo é sombrio. As horas, os dias, os meses se arrastam pesados. A impressão que tens é que nada, jamais, porá fim ao fustigar das dores.

Contudo, tudo passa como a chuva rápida do verão, logo substituída pelos raios do sol.

E transcorrido algum tempo, ao lembrares daquele período de dores, dirás a ti mesmo: Meu Deus, nem acredito que passei por tudo aquilo. Até parece um sonho distante.

Porque tudo passa na vida, porque tudo é transitório, passageiro, não percas a esperança.

O que hoje é, amanhã poderá ter feição diferente, deixar de ser.

Acima de tudo, recorda que o amor de Deus te sustenta a vida e não há, no Universo, força maior do que a presença de Deus atuando favoravelmente.

Dessa forma, quando a inclemência das dores te fustigarem a alma, recolhe-te à meditação e ouvirás o pulsar do Cosmo.

No silêncio identificarás as vozes da Imortalidade te falando aos ouvidos da alma, dizendo-te da vitória que haverás de alcançar.

Refugiando-te na oração, dialogarás com Deus, com a intimidade do filho ao pai ou ao coração de mãe.

Não entregues a batalha a meio. Prossegue. Embora as nuvens carregadas de dissabores que possam te envolver, lembra que logo mais, amanhã, outro dia, em algum momento, o sol voltará a brilhar.

Sol em tua alma, em tua vida. Pensa nisso e aguarda um tanto mais, antes de te entregares à desesperança.

Deus tem certeza do teu triunfo e da conquista plena de ti mesmo.

Confia nEle.

Redação do Momento Espírita.