Pachelbel - Canon In D Major

sexta-feira, agosto 30, 2013

A cada mil lágrimas - Momento Espírita




A cada mil lágrimas


Em caso de dor ponha gelo

Mude o corte do cabelo

Mude como modelo

Vá ao cinema. Dê um sorriso

Ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo




Se amargo foi já ter sido

Troque já esse vestido

Troque o padrão do tecido

Saia do sério, deixe os critérios

Siga todos os sentidos

Faça fazer sentido

A cada mil lágrimas sai um milagre...

A cada mil lágrimas sai um milagre...



*   *   *



A letra da belíssima canção de Itamar Assumpção e Alice Ruiz é inspiradora.


Fala-nos de como encarar as dores do mundo com inteligência, com coragem e com estilo.


Inteligência de quem vê na dor oportunidade de mudança e aprendizado.


Coragem de quem aceita mudar.


Estilo de quem sofre e ainda consegue sorrir, chorar, sem perder a linha, sem perder o passo.


A dor chega sem aviso, de cara cruel, como um monstro invencível e desproporcional ao nosso tamanho.


Chega destruindo tudo... E tudo parece o fim.


Mas não... Descobrimos que ela ensina, orienta, cuida.


É o cinzel que esculpe, que talha, que faz o bloco amorfo de mármore se transformar em estátua, em obra de arte.


A dor é o convite à mudança de hábitos, de pensamento, de rumo, talvez.


Trocar o vestido da alma é renová-la. Mudar o padrão de seus tecidos é não permanecer preso às mesmas ideias, aos mesmos vícios.


É necessário deixar a vida fazer sentido.


Uma vida sem sentido é quase como uma escuridão. Nada se vê, nem a si próprio. Nada se encontra, pois não se sabe onde está e onde se deve chegar.


E o milagre após as lágrimas é tantas coisas!...


O milagre de se encontrar, de ver a si mesmo com suas forças e fraquezas, mas sem máscaras, sem ilusões.


O milagre de perceber que se está melhor, que as feridas cicatrizam sempre, e que ali a pele se torna mais resistente.


O milagre do recomeço, de nascer de novo, de se dar nova chance.


O milagre de descobrir os amores ao redor, e quanto prezam por nós; de descobrir aqueles que nunca nos abandonam, não importa o que aconteça.


O milagre de saber que a vida procura nos levar sempre para cima, para diante, e nunca para trás, e a dor é lei de equilíbrio e educação.


A cada mil lágrimas sai um milagre.


*   *   *


O sofrimento, muitas vezes, não é mais do que a repercussão das violações da ordem eterna cometidas.


Mas, sendo partilha de todos, deve ser considerado como necessidade de ordem geral, como agente de desenvolvimento, condição do progresso.


Todos os seres têm de, por sua vez, passar por ele. Sua ação é benfazeja para quem sabe compreendê-lo.


Mas, somente podem compreendê-lo aqueles que lhe sentiram os poderosos efeitos.





Redação do Momento Espírita, com base na letra da música  Milágrimas, de Itamar Assumpção e Alice Ruiz e pensamentos finais extraídos do Cap XXVI  do livro O problema do ser, do destino e da dor, de Léon Denis, ed. Feb. Disponível em www.momento.com.br.

quinta-feira, agosto 29, 2013

Amizade - Meimei




Amizade

Meimei


 Ergueste-me na caminhada...

Deste-me guarida no afeto santo do teu coração..

Advertiste-me fraternalmente nas passadas equívocas...

Acompanhaste-me nas sombrias noites da desesperação...

Choraste e abraçaste-me quando, alucinada, entrevi a desesperança e o teu testemunho de solidariedade foi-me a confirmação da presença divina socorrendo-me nas lágrimas...

Não descuraste do pão à minha mesa...

Não relegaste o meu coração à solidão fria das longas horas da doença indomável...

Jamais perdeste a oportunidade do conselho amigo, intentando dirigir-me à ação nobre...

 Por tudo isto te sou grata...

O interlocutor, ante o desvelar de tanta afeição e reconhecimento, asseverou:

Para mim, isto nenhum esforço representou, amigo, desde quando, expressa o carinho do meu coração pela tua existência. 

E, em nome deste sentimento, digo-te que o meu silêncio é a melhor resposta às tuas efusões...

Sim, bem sei. 

É por isto que Deus te colocou na Terra para alentar o caminho dos homens, sacramentando-te com o sublime nome de Amizade...




XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Meimei.

Bezerra de Menezes - O Médico dos Pobres Gilberto Schoereder





Bezerra de Menezes - O Médico dos Pobres


Gilberto Schoereder



Mais do que um dos nomes mais conhecidos do Espiritismo no Brasil, Bezerra de Menezes passa para a história como um exemplo de devoção ao próximo. Hoje em dia, mais do que nunca, um exemplo que deve ser observado com muita atenção.


Bezerra de Menezes foi chamado de "o Kardec brasileiro", "o médico dos pobres", lutou pelos direitos e liberdades dos espíritas, foi uma das personalidades públicas mais conceituadas do Brasil na segunda metade do século 19, e conseguiu dar uma nova orientação e ânimo ao Espiritismo no país.


O resultado de sua obra se estende até esse início de século 21, com a multiplicação de centros e comunidades espíritas que carregam, mais do que o seu nome, sua postura diante da vida e o esforço em ajudar o próximo sem esperar qualquer tipo de recompensa.


Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti nasceu em Riacho do Sangue, no Ceará, em 29 de agosto de 1831, descendente das primeiras famílias que vieram do sul para povoar o Ceará. Começou seus estudos na escola pública em 1838 e, em 1842, foi para o Rio Grande do Norte: sua família teve de se transferir por motivos políticos, uma vez que eram liberais e estavam sendo perseguidos. Retornou ao Ceará em 1846, completando seus estudos em Fortaleza.


Bezerra de Menezes foi para o Rio de Janeiro em 1851 e, a partir de novembro de 1852, entrou como interno no Hospital da Santa Casa de Misericórdia, auxiliando o dr. Manoel Feliciano Pereira de Carvalho, famoso cirurgião da época. Com dificuldades financeiras até para pagar seu aluguel, Bezerra contou que, certo dia, ao baterem à sua porta, ele imaginava que seria o senhorio cobrando o aluguel que ele não poderia pagar. No entanto, era um jovem que o procurava para ter aulas de matemática, uma matéria que Bezerra não suportava. O jovem lhe deixou um pagamento adiantado, e marcou uma data para a aula. Bezerra foi à Biblioteca Pública estudar a matéria e, ao voltar para a aula, o jovem não apareceu. Segundo ele, nunca mais o reviu ou ouviu falar dele, mas conseguiu pagar o aluguel. "Foi a única vez", disse Bezerra, "que estudei a fundo uma lição de matemática, e ela me valeu de alguma coisa".


Em 1856,  conseguiu obter seu doutorado pela Faculdade de Medicina, defendendo a tese Diagnóstico do Cancro.


Depois de sua formatura, resolveu modificar seu nome, abandonando o sobrenome Cavalcanti. Posteriormente, em 1857, candidatou-se ao quadro de membros da Academia Imperial de Medicina, apresentando o trabalho Algumas Considerações sobre o Cancro, Encarado pelo Lado do Seu Tratamento. Em 1858, candidatou-se a uma vaga na Seção de Cirurgia da Faculdade de Medicina e, no mesmo ano, o então nomeado cirurgião-mor do Exército, seu professor Manoel Feliciano, nomeou Bezerra de Menezes seu assistente, com o posto de cirurgião-tenente. De 1859 a 1861, fez a redação dos Anais Brasilienses de Medicina, da Academia Imperial de Medicina.


Posteriormente, iniciou um período de atividades políticas que fariam com que seu nome se tornasse ainda mais conhecido no país. Na época, ele residia e clinicava em São Cristóvão, e foi convidado por amigos para ingressar na vida política, começando como vereador, em 1860. Em 1867, chegou a deputado; em 1878, foi líder do Partido Liberal, e de 1878 a 1880, presidente da Câmara Municipal.


Encerrou suas atividades políticas em 1885, ainda que seu nome tenha sido cogitado para senador pelo Rio de Janeiro, pouco antes da proclamação da república.


Canuto Abreu, um dos mais importantes historiadores do Espiritismo no Brasil, escreveu que outra missão o aguardava, não para que ele fosse coroado de louros, mas para que tivesse uma tarefa ainda mais importante, servindo ao seu país de uma forma que se mantém na memória e rende frutos até hoje.



Espiritismo


Nessa época, o Espiritismo já começava a ter um grande destaque no país, e cada vez aumentava o interesse pelo assunto, atraindo mais e mais pessoas. Assim, em 1875 surgia a primeira edição brasileira de O Livro dos Espíritos, traduzido por Joaquim Carlos Travassos, que ofereceu um exemplar ao dr. Bezerra de Menezes. Segundo consta, Bezerra relatou o seguinte, ao ler o texto: "Lia, mas não encontrava nada que fosse novo para meu espírito. Entretanto, tudo aquilo era novo para mim! Eu já tinha lido ou ouvido tudo o que se achava em O Livro dos Espíritos. Preocupei-me seriamente com este fato maravilhoso e a mim mesmo dizia: parece que eu era espírita inconsciente, ou, como se diz vulgarmente, de nascença".


Ao mesmo tempo em que entrava em contato com o Espiritismo, Bezerra de Menezes continuava seu trabalho como médico, destacando-se por sua postura humanista, atendendo pessoas sem condições de pagar o tratamento e até mesmo indigentes. No livro Lindos Casos de Bezerra de Menezes (LAKE), de Ramiro Gama, essa postura do "médico dos pobres" fica bem clara num texto em que ele fala sobre a atitude ideal de um médico: "O médico verdadeiro é isto: não tem o direito de acabar a refeição, de escolher a hora, de inquirir se é longe ou perto. O que não acode por estar com visitas, por ter trabalhado e achar-se fatigado ou por ser alta a noite, mau o caminho e o tempo, ficar perto ou longe do morro; o que sobretudo pede um carro a quem não tem com que pagar a receita, ou que diz a quem lhe chora à porta que procure outro – esse não é médico, é negociante da medicina, que trabalha para recolher capital e juros dos gastos da formatura".


A adesão pública ao Espiritismo surgiu em 1886, com sua filiação à Federação Espírita Brasileira, e com um famoso discurso proferido no dia 16 de agosto daquele ano, no salão da Guarda Velha. Alguns pesquisadores afirmam ainda que, com o pseudônimo de Max, ele começou a escrever para o jornal O Paiz em 1886; outros dizem que foi no ano seguinte. O mais importante, no entanto, é que os textos de Bezerra de Menezes chegam a ser considerados entre os mais importantes estudos filosóficos e doutrinários do Espiritismo no país, além de defenderem a doutrina de uma série de ataques que começava a sofrer.



Federação Espírita

Após passar por uma séria provação em 1888, quando perdeu dois filhos, Bezerra de Menezes aceitou a presidência da Federação Espírita do Brasil no ano seguinte, num momento em que a Federação passava por maus momentos. Grupos diferentes discutiam os rumos do Espiritismo, divididos entre os chamados "místicos" e os "científicos". O que ele fez foi um trabalho de conciliação e harmonização dos ideais espíritas, realizando uma reformulação no Espiritismo brasileiro. No mesmo ano, atuava como presidente da Casa de Ismael, iniciando o estudo de O Livro dos Espíritos, realizando sessões semanais também na FEB.


Em 1890 e 91 foi vice-presidente da FEB, época em que também traduziu o livro Obras Póstumas, de Allan Kardec. Mas foi uma época em que Bezerra de Menezes esteve mais afastado da Federação, dedicando-se mais ao Grupo Ismael e aos estudos de Kardec e Roustaing.


Já ao final de 1891, a FEB passava por divergências internas e ataques externos abalando o Espiritismo, situação agravada pela instabilidade política do país, que ampliava a divisão entre os espíritas. Essa situação se estendeu até 1895, quando as finanças da entidade já estavam bastante prejudicadas. Assim, a pedidos, Bezerra voltou a assumir a presidência, cargo que estava vago, sendo considerado o único espírita capaz de reverter a situação.


Com sua postura nada ambiciosa e desapegada das coisas materiais, Bezerra de Menezes conquistou a admiração de muitas pessoas, mas também teve problemas, sendo reduzido à pobreza em 1892. Mas não abandonou a luta em favor do Espiritismo, escrevendo sua seção dominical de O Paiz, artigos para o Reformador, e romances. Segundo alguns historiadores, Bezerra manteve-se como uma das poucas, senão a única voz a defender o Espiritismo no país, nessa época conturbada.


Ele se manteve como presidente da FEB até desencarnar, no dia 11 de abril de 1900. Deixou como grande alteração a orientação evangélica da Federação, recomeçando o estudo sistemático de O Livro dos Espíritos, realizando sessões públicas, e atraindo cada vez mais pessoas e conquistando um respeito crescente para o Espiritismo.


Não é por acaso que chegou a ser chamado de "o Kardec brasileiro", e sua obra mais consistente – e que encontra paralelos ainda hoje, em inúmeras obras assistenciais –, foi a que se refere à ajuda aos pobres e necessitados, não pensando duas vezes na prestação de serviços e em dividir o pouco que possuía.


No mundo extremamente materialista em que vivemos nesse início de século, é um exemplo que deve sempre ser seguido.




Fonte:
PORTAL DO ESPÍRITO. Disponível em http://www.espirito.org.br/portal/publicacoes/esp-ciencia/005/bezerra.html . Acesso: 28 AG. 20





Nossa sincera homenagem a Dr. Adolfo Bezerra de Menezes,  exemplo de médico humanitário,  que prossegue sua Missão na Terra como o Médico dos Pobres sob o olhar da Mãe Santíssima e de Jesus.

Receba o nosso carinho e imensa gratidão!!!

quarta-feira, agosto 28, 2013

Caridade e Esperança - Meimei





Caridade e Esperança

Meimei



Lembra-te da esperança para que a tua caridade não se faça incompleta.


Darás ao faminto, não somente a côdea de pão que lhe mitigue a fome, mas também o carinho da palavra fraterna, com que se lhe restaurem as energias.


Não apenas entregarás ao companheiro, abandonado à intempérie, a peça que te sobra ao vestiário opulento, mas agasalhá-lo-ás em teu sorriso espontâneo a fim de que se reerga e prossiga adiante, revigorado e tranqüilo.


Não olvides a paciência divina com que somos tolerados a cada hora.


Qual acontece ao campo da natureza, em que o Sol mil vezes injuriado pela treva, mil vezes responde com a bênção da luz, dentro de nossa vida, assinalamos a caridade infinita de Deus, refazendo-nos a oportunidade de servir e aprender, resgatar e sublimar todos os dias.


Não te faças palmatória dos próprios irmãos, aos quais deves a compreensão e a bondade de que recebes as mais elevadas quotas do Céu, na forma de auxílio e misericórdia, em todos os instantes da experiência.


Não profiras maldição nem espalhes o tóxico da crítica, no obscuro caminho em que jornadeiam amigos menos ditosos, ainda incapazes de libertarem a si mesmos das algemas da ignorância.


Recorda que Jesus nos chamou à senda terrestre para auxiliar e salvar, onde muitos já desertaram da confiança no eterno bem.


Seja onde for e com quem for, atende à esperança para que o mundo conquiste a vitória a que se destina.


Aliviar com azedume é alargar a ferida de quem padece e dar com reprimendas é envolver o socorro em repulsivo vinagre de desânimo ou desespero.


À maneira de raio solar que desce à furna cada manhã, restaurando o império da luz, sem reclamação e sem mágoa, sê igualmente para os que te rodeiam a permanente mensagem do amor que tudo compreende e tudo perdoa, amparando e auxiliando sem descansar, porque somente pela força do amor alcançaremos a luz imperecível da vida.





XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Meimei.

terça-feira, agosto 27, 2013

Ama Sempre - Meimei






Ama Sempre

Meimei


Encontrarás talvez, junto de ti, os que te pareçam errados.


Esse cometeu falta determinada, aquele se acomodou numa situação considerada infeliz.


Respeita o tribunal que lhes indicou tratamento, sem recusar-lhes auxílio.


Quem conhecerá todas as circunstâncias para sentenciar, em definitivo, quanto às atitudes de alguém, analisando efeitos sem penetrar as causas profundas?


Deliciava-se certa jovem com o perfume das rosas que lhe vinham desabrochar na janela. 


Orgulhosa das ramas que escalavam paredes, de modo a ofertar-lhe as flores, quis corrigir o jardim, no pedaço de chão em que a planta se levanta. 


Pequeno monte de terra adubada, a destacar-se de nível, foi violentamente arrancado, mas justamente aí palpitava o coração da roseira.


Decepada a raiz, morreram as flores.


Quantas criaturas estarão resignadas a moradia em situação categorizadas por lodo, para que as rosas da alegria e da segurança possam brilhar nas janelas de nossa vida?


Aceita os outros tais quais são.


Espera e serve.


Abençoa e ama sempre.


O errado hoje, em muitos casos, será o certo amanhã.


O julgamento é dos homens, mas a justiça é de Deus.





XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Meimei.

segunda-feira, agosto 26, 2013

Ao Levantar-se - André Luiz




Ao Levantar-se


André Luiz




Agradeça a Deus a bênção da vida, pela manhã.

Se você não tem o hábito de orar, formule pensamentos de serenidade e otimismo, por alguns momentos, antes de retomar as próprias atividades.


Levante-se com calma.


Se deve acordar alguém, use bondade e gentileza, reconhecendo que gritaria ou brincadeiras de mau gosto não auxiliam em tempo algum.


Guarde para com tudo e para com todos a disposição de cooperar para o bem.


Antes de sair para a execução de suas tarefas, lembre-se de que é preciso abençoar a vida para que a vida nos abençoe.




XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito André Luiz. Sinal Verde, CAP.1, P.9.

sábado, agosto 24, 2013

Assunto de Todos - Meimei




Assunto de Todos

Meimei



Se já te reconheces na condição de alma imperecível, compadece-te dos outros e diminui os problemas que lhes possam alcançar o coração.


Qual te ocorre, todos eles carregam consigo necessidades e lágrimas.


Esse adquiriu débitos de grande porte e despenderá longo tempo para ressarci-los; aquele mora num espinheiro em forma de lar; aquele é portador de enfermidades irreversíveis; aquele outro ainda traz o coração retalhado de angústia por haver perdido um ente amado nos labirintos da morte.


Se sabes no caminho onde se oculta alguma pedra, capaz de ferir os pés alheios, procura retirá-la, em silêncio, sem criar complicações. Se conheces algum episódio desagradável, acerca da vida de alguém, cala-te e ora pela paz desse alguém, porque não conheces a estrada que trilharás amanhã, em cujos obstáculos poderás perder o próprio equilíbrio.


Não faças perguntas que funcionem por lâminas revolvendo o coração dos que te ouvem e evita as questões dolorosas que a tua palavra seja incapaz de resolver.


Aprende, em tua convivência, a nutrir a união e a paz, a esperança e o bom ânimo, buscando esquecer indagações suscetíveis de levantar qualquer comentários maledicentes.


Compadece-te de todos, mas especialmente daqueles que vivem junto de ti.


Não cortes a mão que te auxilia, nem derrubes o telhado que te protege.



Ama somente e acertarás.




XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Meimei.

sexta-feira, agosto 23, 2013

Carta Íntima - Meimei




Carta Íntima

Meimei


É verdade. Conseguiste matrícula na escola da luz, a fim de que possas servir com mais segurança na causa do bem, mas encontras empeços de toda espécie, no rumo das aquisições a que te diriges.



Consideras muito difíceis as matérias em pauta.



Quantas falhas nas provas de paciência? Quantos desacertos nos exercícios da caridade? Quantos desajustes nas demonstrações de tolerância? E, sobretudo, que montão de erros nos exames do amor?



E choras verificando os problemas que se te afiguram insuperáveis.



Sofres com dependências e recapitulações, boletins de alarme e conseqüências infelizes de teus próprios enganos.



De quando a quando, eis que se te amplia o desencanto, observando o alto número dos companheiros que desertam das aulas e sentes que o vazio cresce ao redor da carteira de trabalho em que te vês.



Entretanto, não esmoreças.



Prossegue.



Possivelmente, ainda não te conscientizaste de que o professor amigo te acompanha.



Onde haveria escola sem mestre?



Ouve. O instrutor que te acolheu, de braços abertos, não te abandona.



Se ele te registra os equívocos e as crises, é que deseja conduzir-te à certeza e à serenidade nos conhecimentos que buscas.



E se insiste contigo para que te mantenhas no aprendizado é porque te ama.



Quando te entristeces, ele é a esperança que te restaura o ânimo enfraquecido.



Quando te afliges, ei-lo a pacificar-te no clarão do discernimento.



Confia e segue adiante.



Ele sabia que vieste à escola a fim de assimilar recursos que, até agora, não possuis e, por isso mesmo, não te pede a elevação que ainda não tens.



Apóia-te nele e persevera.



Em qualquer dificuldade, chama por ele. Talvez ainda não saibas que ele, o nosso mestre, é mais conhecido pelo nome de Jesus Cristo.




XAVIER, Francisco Cândido pelo Espírito Meimei.

quinta-feira, agosto 22, 2013

Pensamentos e Frases de Chico Xavier





Pensamentos e Frases de Chico Xavier



“O Cristo não pediu muita coisa, não exigiu que as pessoas escalassem o Everest ou fizessem grandes sacrifícios. Ele só pediu que nos amássemos uns aos outros.”



"Valorizemos o amigo que nos socorre, que se interessa por nós, que nos escreve, que nos telefona para saber como estamos indo... A amizade é uma dádiva de Deus... Mais tarde, haveremos de sentir falta daqueles que não nos deixam experimentar solidão!"



“Nenhuma atividade no bem é insignificante... As mais altas árvores são oriundas de minúsculas sementes. A repercussão da prática do bem é inimaginável... Para servir a Deus, ninguém necessita sair do seu próprio lugar ou reivindicar condições diferentes daquelas que possui.”



"Os Espíritos Amigos sempre mostram disposição de nos auxiliar, mas é preciso que, pelo menos, lhes ofereçamos uma base... Muitos ficam na expectativa do socorro do Alto, mas não querem nada com o esforço de renovação; querem que os espíritos se intrometam na sua vida e resolvam seus problemas..."



"Ora, nem Jesus Cristo, quando veio à Terra, se propôs resolver o problema particular de alguém... Ele se limitou a nos ensinar o caminho, que necessitamos palmilhar por nós mesmos.”



"Nunca quis mudar a religião de ninguém, porque, positivamente, não acredito que a religião a seja melhor que a religião b... Nas origens de toda religião cristã está o Pensamento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Quem seguir o Evangelho..."



"Se Allan Kardec tivesse escrito que “fora do Espiritismo não há salvação”, eu teria ido por outro caminho. Graças a Deus ele escreveu “Fora da Caridade”, ou seja, fora do Amor não há salvação...”



"Devemos orar pelos políticos, pelos administradores da vida pública. A tentação do poder é muito grande. Eu não gostaria de estar no lugar de nenhum deles."



"A omissão de quem pode e não auxilia o povo, é comparável a um crime que se pratica contra a comunidade inteira. Tenho visto muitos espíritos dos que foram homens públicos na Terra em lastimável situação na Vida Espiritual...”



"O desespero é uma doença. E um povo desesperado,lesado por dificuldades enormes, pode enlouquecer, como qualquer indivíduo. Ele pode perder o seu próprio discernimento.Isso é lamentável, mas pode-se dizer que tudo decorre da ausência de educação, principalmente de formação religiosa.”



“Sem Deus no coração, as futuras gerações colocarão em risco a Vida no planeta. Por maior seja o avanço tecnológico da Humanidade, impossível que o homem viva em paz sem que a idéia de Deus o inspire em suas decisões.”



"Devemos fazer tudo para evitar uma guerra, que viria sem dúvida, ser um atraso na marcha progressiva da Humanidade. Quando surge uma guerra de proporções maiores, quase tudo se desmantela e, praticamente, tem que ser reiniciado....”



“Gente há que desencarna imaginando que as portas do Mundo Espiritual irão se lhes escancarar... Ledo engano! Ninguém quer saber o que fomos, o que possuíamos, que cargo ocupávamos no mundo; o que conta é a luz que cada um já tenha conseguido fazer brilhar em si mesmo...”



“Sem a idéia da reencarnação, sinceramente, com todo respeito às demais religiões, eu não vejo uma explicação sensata, inclusive, para a existência de Deus.”



"Uma das coisas que sempre aprendi com os Benfeitores Espirituais é não tolher o livre arbítrio de ninguém; os que viveram na minha companhia sempre tiveram a liberdade para fazer o que quiseram...”



"Existem pessoas que se sentem ofendidas, magoadas por qualquer coisa: à mais leve contrariedade, se sentem humilhadas... Ora, nós não viemos a este mundo para nos banhar em águas de rosas... Somos espíritos altamente endividados - dentro de nós o passado ainda fala mais alto... Não podemos ser tão suscetíveis assim..."



“Agradeço todas as dificuldades que enfrentei; não fosse por elas, eu não teria saído do lugar... As facilidades nos impedem de caminhar. Mesmo as críticas nos auxiliam muito.”



"Emmanuel sempre me ensinou assim: -“Chico,se as críticas dirigidas a você são verdadeiras, não reclame; se não são, não ligue para elas...”



“A doença é uma espécie de escoadouro de nossas imperfeições; inconscientemente, o espírito quer jogar para fora o que lhe seja estranho ao próprio psiquismo... Na realidade, toda doença no corpo é processo de cura para a alma...”



“Abençoemos aqueles que se preocupam conosco, que nos amam, que nos atendem as necessidades... Valorizemos o amigo que nos socorre, que se interessa por nós, que nos escreve, que nos telefona para saber como estamos indo... A amizade é uma dádiva de Deus, mais tarde, haveremos de sentir falta daqueles que não nos deixam experimentar solidão!”



“A caridade é um exercício espiritual... Quem pratica o bem, coloca em movimento as forças da alma. Quando os espíritos nos recomendam, com insistência a prática da caridade, eles estão nos orientando no sentido de nossa própria evolução; não se trata apenas de uma indicação ética, mas de profundo significado filosófico...”



“A gente deve lutar contra o comodismo e a ociosidade; caso contrário, vamos retornar ao Mundo Espiritual com enorme sensação de vazio... Dizem que eu tenho feito muito, mas, para mim, não fiz um décimo do que deveria ter feito...”



“A questão mais aflitiva para o espírito no Além é a consciência do tempo perdido.”



“Confesso a vocês que não vi o tempo correr... Por mais longa nos pareça, a existência na Terra é uma experiência muito curta. A única coisa que espero depois da minha desencarnação é a possibilidade de poder continuar trabalhando.”



“Devemos aceitar a chegada da chamada morte, assim como o dia aceita a chegada da noite – tendo confiança que, em breve, de novo há de raiar o sol...”



“Tudo tem seu apogeu e seu declínio... É natural que seja assim; todavia, quando tudo parece convergir para o que supomos o nada, eis que a vida ressurge, triunfante e bela!... Novas folhas, novas flores, na indefinida bênção do recomeço!...”



“Tudo o que pudermos fazer no bem, não devemos adiar... Carecemos somar esforços, criando, digamos, uma energia dinâmica que se anteponha às forças do mal... Ninguém tem o direito de se omitir”



“Uma das mais belas lições que tenho aprendido com o sofrimento: Não julgar, definitivamente não julgar a quem quer que seja.”



“O exemplo é uma força que repercute, de maneira imediata, longe ou perto de nós... Não podemos nos responsabilizar pelo que os outros fazem de suas vidas; cada qual é livre para fazer o que quer de si mesmo, mas não podemos negar que nossas atitudes inspiram atitudes, seja no bem quanto no mal.”



"Sempre recebi os elogios como incentivos dos amigos para que eu venha a ser o que tenho consciência de que ainda não sou...”



"Fico triste quando alguém me ofende, mas, com certeza, eu ficaria mais triste se fosse eu o ofensor... Magoar alguém é terrível!...”



"Existem pessoas que se sentem ofendidas, magoadas por qualquer coisa: à mais leve contrariedade, se sentem humilhadas... Ora, nós não viemos a este mundo para nos banhar em águas de rosas..."



"Quando você não tiver uma palavra que auxilie, procure não abrir a boca..."



“Sabemos que precisamos de certos recursos, mas o Senhor não nos ensinou a pedir o pão, mais dois carros, mais um avião... Não precisamos de tanta coisa para colocar tanta carga em cima de nós. Podemos ser chamados hoje à Vida Espiritual...”



“Tudo que criamos para nós, de que não temos necessidade, se transforma em angústia, em pressão...”