Pachelbel - Canon In D Major

quarta-feira, abril 12, 2017

D. Pedro II, reencarnação de Cassius Longinus - Reformador





D. Pedro II, reencarnação de Cassius Longinus




Cassius Longinus, que viveu de 213 a 273 de nossa era, cognominado ‘Philologus’ por Porfírio, e por Eunapius como ‘biblioteca ambulante’, autor de muitos livros célebres, foi o mais notável crítico de Filosofia e Retórica da Grécia, embora tivesse, ou entrasse para a História, com nome latino. 


Um dos homens melhores e mais cultos de todos os tempos.


Foi escolhido pelo próprio Jesus para cumprir a missão de segundo e último imperador do Brasil. Leiamos a gloriosa nomeação:


“Longinus, entre as nações do orbe terrestre, organizei o Brasil como coração do mundo. 


Minha assistência misericordiosa tem velado constantemente pelos seus destinos e, inspirando a Ismael e seus companheiros do Infinito, consegui evitar que a pilhagem das nações ricas e poderosas fragmentasse o seu vasto território, cuja configuração geográfica representa o órgão do sentimento no Planeta, como um coração que deverá pulsar pela paz indestrutível e pela solidariedade coletiva e cuja evolução terá de dispensar, logicamente, a presença contínua dos meus emissários para a solução dos seus problemas de ordem geral. 


Bem sabes que os povos têm a sua maioridade, como os indivíduos, e se bem não os percam de vista os gênios tutelares do mundo espiritual, faz-se mister se lhes outorgue toda a liberdade de ação, a fim de aferirmos o aproveitamento das lições que lhes foram prodigalizadas".


 “Sentes o teu coração com a necessária fortaleza para cumprir grande missãona Pátria do Evangelho?”


 “-Senhor - respondeu Longinus, num misto de expectativa angustiosa e refletida esperança-, bem conheceis o meu elevado propósito de aprender as vossas lições divinas e de servir à causa das vossas verdade sublimes, na face da Terra. 


Muitas existências de dor tenho voluntariamente experimentado, para gravar no íntimo do meu espírito a compreensão do vosso amor infinito, que não pude entender ao pé da cruz dos vossos martírios no Calvário, em razão dos espinhos da vaidade e da impenitência, que sufocavam, naquele tempo, a minha alma. 


Assim, é com indizível alegria, Senhor, que receberei vossa incumbência para trabalhar a árvore magnânima da vossa inesgotável misericórdia. 


Seja qual for o gênero de serviços que me foram confiados, acolherei as vossa determinações como um sagrado ministério.”


 “-Pois bem - redargüiu Jesus com grande piedade,- essa missão, se for bem cumprida por ti, constituirá a tua última romagem pelo planeta escuro da dor e do esquecimento. 


A tua tarefa será daquelas que requerem o máximo de renúncias e devotamentos. 


Serás imperador do Brasil, até que ele atinja a sua perfeita maioridade, como nação. 


Concentrarás o poder e a autoridade para beneficiar a todos os seus filhos. 


Não é preciso encarecer aos teus olhos a delicadeza e sublimidade desse mandato, porque os reis terrestres, quando bem compenetrados das suas elevadas obrigações diante das leis divinas, sentem nas suas coroas efêmeras um peso maior que o das algemas dos forçados. 


A autoridade, como a riqueza, é um patrimônio terrível para os espíritos inconscientes de seus grandes deveres. 


Dos seus esforços se exigirá mais de meio século de lutas e dedicações permanentes...


 Esse belo discurso é muito mais longo, estende-se das páginas 125 a 128, de “Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho”, mas o trecho transcrito parece-nos bastar à finalidade deste artigo.


 Em 2 de Dezembro de 1825 nascia, no Rio de Janeiro, Pedro de Alcântara, que, aos 16 anos de idade, em 1841, era coroado Imperador do Brasil, com o nome de D. Pedro II. Não só cumpriu maravilhosamente sua missão, revelou de novo sua imensa erudição já famosa há 17 séculos, mas ainda continuou, do Plano Espiritual, zelando pelo Brasil. 


Não perde ocasião de nos transmitir preciosos ensinamentos em belos versos.


Recordemos bem, do que ficou dito acima, que Pedro II foi escolhido pelo próprio Jesus, enquanto que outros grandes missionários o foram por Ismael.


 O discurso de Jesus, que interrompemos acima, termina com esta predição:


 “A posteridade, porém, saberá descobrir as marcas dos teus passos na Terra, para se firmar no roteiro da paz e da missão evangélica do Brasil.”


Parece-nos que esse tempo já é chegado e dia a dia o Imperador Sábio vai sendo melhor compreendido pelos brasileiros.



Fonte

REVISTA REFORMADOR/FEB -  Junho 1958



Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”