Pachelbel - Canon In D Major

sábado, fevereiro 25, 2012

Cura Real - José Carlos De Lucca



Cura Real

José Carlos De Lucca

Não trate apenas dos sintomas, tentando eliminá-los sem que a causa da enfermidade seja também extinta.

A cura real somente acontece do interior para o exterior .....

 Sim, diga a seu médico que você tem  dor no peito, mas diga também que sua dor é dor de tristeza, é dor de  angústia.

 Conte a seu médico que você tem azia,mas descubra  o motivo pelo qual você, com seu gênio, aumenta a produção de ácidos no estômago.

Relate que você tem diabetes.No entanto, não se esqueça de dizer  também que não está  encontrando mais doçura em sua vida e  que está muito difícil suportar o peso de suas frustrações.

 Mencione que você sofre de enxaqueca, todavia confesse que padece com seu perfeccionismo,  com a autocrítica, que é muito sensível à crítica alheia e  demasiadamente ansioso.

Muitos querem se curar,  mas poucos estão dispostos  a neutralizar em si  o ácido da calúnia,  o veneno da inveja,  o bacilo do pessimismo  e o câncer do egoísmo. Não querem mudar de vida ...

 Procuram a cura de um câncer, mas  se recusam a abrir mão de uma simples mágoa.

 Pretendem a desobstrução das artérias coronárias, mas querem continuar com o peito fechado pelo rancor e pela agressividade.

 Almejam a cura de problemas oculares, todavia não retiram dos  olhos a venda do criticismo e da maledicência.

 Pedem a solução para a depressão, entretanto, não abrem mão do orgulho ferido e do forte sentimento de decepção em relação a perdas experimentadas..

 Suplicam auxílio para os problemas de tireoide,  mas não cuidam de suas frustrações e ressentimentos, não levantam a voz para expressarem suas legítimas necessidades.

 Imploram a cura de um nódulo de mama, todavia, insistem em manter bloqueada a ternura e a afetividade por conta das feridas emocionais do passado.

Clamam pela intercessão divina, porém permanecem surdos aos gritos de socorro que partem de pessoas muito próximas de si mesmos.

 Deus nos fala através de mil modos; a enfermidade é um deles e por certo, o principal recado que lhe chega da sabedoria divina é que está faltando  mais amor e harmonia em sua vida.

 Toda cura é sempre  uma autocura  e o Evangelho de Jesus é a farmácia onde encontraremos os remédios que nos curam  por dentro.

 Há dois mil anos esses remédios estão à nossa disposição. Quando nos decidiremos?

 Muita Paz
DE LUCCA, José Carlos - Do Livro - O Médico Jesus.
    

Um comentário:

  1. Anônimo9:02 PM

    Sei que a mente e o corpo estão inter-relacionados.Sei que a mente afeta o corpo e vice-versa. Acredito perfeitamente no velho ditado “Mente sã em corpo são”, mas não dá para aceitar tudo ao pé da letra. O pensamento do Dr. José Carlos de Lucca tem um fundo de verdade, sim, e com certeza não é uma ideia original, mas a minha observação não permite aceitar 100% essa ideia, essa crença. Conheço muitas pessoas boas, algumas, verdadeiros santos, que morreram de câncer, que tiveram Alzheimer, que ficaram cegas, enfim, que tiveram todo tipo de doenças, e estavam longe de serem pessoas egoístas, malvadas, intolerantes, invejosas, etc. As minhas crenças são todas respaldadas pela prática, pela observação. Não fico só na teoria. A teoria costuma ser uma coisa muito bonita, cativante, interessante, curiosa... mas a prática é o que vale mais. Nem sempre uma doença se explica à luz de qualquer raciocínio terreno. Existem hipóteses, suposições, mas não se pode colocar todo o mundo no mesmo saco. Tem certas doenças e doentes que fogem à compreensão humana, porque a origem do problema, muitas vezes, está além desta dimensão. Eu conheço uma pessoa, por exemplo, que passou a vida toda fazendo maldade, além de ter sido gananciosa, mentirosa, fofoqueira, encrenqueira, etc. Hoje ela ainda está viva com 86 anos e muito bem de saúde, graças a Deus! Possui uma mente clara, não tem nenhuma limitação física. E ela continua sendo a mesma pessoa de sempre. Não mudou nada, pelo contrário, piorou moralmente. Como é que se explica isso? Ao mesmo tempo em que eu conheci pessoas boníssimas, corretíssimas e que nunca tiveram saúde. A mesma coisa também é a alimentação. Conheci uma senhora que morreu com 92 anos e em perfeito estado físico. Sempre comeu de tudo, inclusive, no dia anterior à sua morte, ela havia comido linguiça. Teve um enfarte e morreu. A gente fica lendo que não se deve comer isso, nem comer aquilo, que se deve beber muita água, evitar carne, etc., mas nada disso é garantia de boa saúde. Hoje eu aprendi a ver a vida de outra maneira. Eu vejo o bem em tudo. Até numa doença. Então a gente aceita tudo, está tudo certo e assim a gente é feliz. É mais ou menos isso que eu gostaria de dizer.

    ResponderExcluir

“Deixe aqui um comentário”