Pachelbel - Canon In D Major

segunda-feira, maio 08, 2017

Tesouro da Oração - Momento Espírita



Tesouro da Oração


Francisco Osuna, sacerdote místico espanhol do período renascentista - séculos quinze e dezesseis - na sua grande obra “Abecedário terceiro”, afirma que:


“A primeira forma de orar, a que se situa no plano da fé, é como escrever a um amigo.


A segunda forma de orar, situada no plano da esperança, é como escrever a um amigo e esperar por uma resposta.


A terceira maneira de orar, situada no plano do amor, é como se fossemos pessoalmente à casa desse amigo.”


A antiguidade do conceito - mais de quinhentos anos - é de grande utilidade, porque esse amigo é Deus, cuja oração deve ser-lhe dirigida.


Trata-se de um grito emocional na hora da aflição encaminhado ao Pai Criador, como um ato de irrestrita confiança.


Noutras vezes, é uma descarga de angústias que necessita de socorro imediato e, por fim, é um enlevo de gratidão em delícia de emoção.


Por isso a oração, de maneira alguma se circunscreve apenas ao ato da rogativa. 


Também é instrumento de louvação e, por fim, de júbilo pelo bem alcançado, em forma de reconhecimento.


Orar é romper as barreiras mentais limitadoras das emoções e necessidades imediatas para alcançar os altiplanos da vida.


Nem sempre é tão fácil a oração assinalada pela perfeita integração da criatura com o Criador.


A falta do hábito salutar interrompe o fluxo do pensamento e ideias extravagantes interferem no ato, dificultando a sintonia.


A insistência disciplinadora, mediante a criação de novo programa, termina por facultar a doce interação entre quem ora e o destinatário.


Quando a fé ora, uma vibração ascendente superior rompe as cristalizações mentais e abre o psiquismo ao Senhor.


Quando a esperança ora, há uma natural comunhão que devolve a onda de luz que beneficia quem faz a solicitação.


Quando é o amor que ora, sucede uma fusão de psiquismos que culminam no êxtase.


*   *   *


Ainda associamos a oração a um ritual externo, a um endereçamento de palavras rebuscado, repleto de formalidades.  


São séculos e séculos de cultura arraigada na alma antiga.


Escrevemos a um Senhor que tememos, não conhecemos, e que mora muito longe...


Porém, quando desconstruirmos essa ideia – aos poucos, é claro – e transformarmos esse ato numa conversa de respeito, amizade e encanto, perceberemos que o Criador nunca esteve longe como imaginávamos. 


Nós é que criamos tal distância...


*   *   *


A palavra religião pode ter duas principais raízes.


Para alguns pensadores, o termo latino religare teria criado a palavra religião, numa alusão à necessidade de uma religação com o Criador.


Para outros, o termo pode ter vindo da palavra relegere, que significa reler, revisitar, retomar o que estava largado.


Que nossa oração aprenda a encurtar caminhos.


Que nossa oração nos faça perceber o Pai em tudo e em todos.


Que nossa oração seja, por si só, remédio para os pensamentos deletérios que ainda reinam em nossas mentes agitadas e confusas.


Que nossa oração – tesouro que temos – nos possibilite caminhar com os pés limpos, mesmo ainda pisando os pântanos do mundo.





Redação do Momento Espírita, com base no cap. 20, do livro Seja feliz hoje, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. LEAL.Disponível em www.momento.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”