Pachelbel - Canon In D Major

terça-feira, maio 28, 2013

Sem preocupação - José Carlos De Lucca




Sem preocupação


José Carlos De Lucca



Para que os nossos irmãos convalescentes apresentem melhoras expressivas e seguras,pedimos-lhes, de nossa parte, manterem o pensamento a cavaleiro de preocupações absorventes, a fim de que as suas energias se refaçam com a solidez necessária. Bezerra de Menezes54



Evite a preocupação, pois ela consome nossas melhores energias,
que antes deveriam ser canalizadas para a resolução das dificuldades orgânicas. 


A preocupação gera tensão e ansiedade, cujas emoções aumentam
a produção dos hormônios responsáveis pelo estresse. 


Sem que estejamos com a mente livre de temores, dificultaremos qualquer processo de cura.



Diante de um problema, avalie: se algo puder ser feito, faça logo e
não se preocupe. 



Muitas pessoas vivem preocupadas com seus problemas e doenças, mas estão com as mãos desocupadas e com as horas
vazias de tédio. 


Deus jamais fará algo que nos mesmos já temos condições de fazer. 


Em regra, quem muito se preocupa pouco se ocupa.



Todavia, se nada mais puder ser feito, também não há razão para
se preocupar porque a resolução do problema já não esta mais em suas mãos. 


Nesse caso, deite-se e vá dormir, pois Deus permanece acordado
trabalhando pelo melhor em seu beneficio. 



No relaxamento está a cura para muitas das nossas enfermidades.



Relaxar é soltar os pensamentos de temor, deixando que eles se
afastem de você como um balão que se perde no céu. 


Todas as nossas aflições são frutos de um determinado pensamento, e pensamento é algo que poderemos mudar a qualquer tempo.



Por que pensar no pior se você pode pensar no melhor? 



Por que acreditar na doença e não na saúde? 



Por que não deixar que a sabedoria divina que habita em você realize o trabalho de cura? 



Por que você não dá uma chance a Deus?



54 Apelos Cristãos, psicografia de Francisco Cândido Xavier, União Espírita Mineira.



FONTE:


DE LUCCA, José Carlos. O Médico Jesus, Cap . 30, p. 67.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”