Pachelbel - Canon In D Major

quinta-feira, outubro 18, 2012

Dias cinzentos - Momento Espírita




Dias cinzentos


Em algumas regiões de nosso planeta, em países localizados em latitudes mais extremas, distantes do Equador, é natural que o inverno se faça mais rigoroso.


            Aí, à chegada da estação invernal, os dias se fazem mais curtos e o céu é, via de regra, tomado de tonalidades cinzas.


            Os dias se sucedem com poucas variações, melancólicos, morosos. O céu sempre pesado, com suas nuvens carregadas.


            Nessa época, apontam alguns estudos, aumenta o número de suicídios e os sintomas da depressão.


            Tomados pela atmosfera triste, pelo clima frio e, naturalmente, mais introspectivo, essas pessoas deixam-se levar sutilmente pela aparente tristeza da natureza, esquecendo-se que logo mais virá a primavera.


            Nas tradições míticas dos povos nórdicos, onde os invernos são muito rigorosos, imaginavam que a chegada do inverno se dava porque o deus Thor havia perdido seu martelo.


            Quando o tornava a encontrar, dava-se o início da primavera, da pujança, da alegria e força da natureza.


*   *   *


            Assim ocorre com nossa vida, habitualmente. Há dias de inverno, cinzas, frios e tristes.


            São dias em que os desafios se mostram mais intensos, em que as dores, do corpo ou da alma, se apresentam mais rudes e onde também, alguns de nós se deixam levar para estados d'alma tristes e depressivos.


            Esses dias cinzas são também dias de aprendizado, de conquistas e de amadurecimento.


            O ciclo da natureza não prescinde do frio do inverno, das mudanças climáticas e do hibernar momentâneo da vida para que reinicie seu ciclo logo mais.


            Nosso processo de amadurecimento e aprendizado também não pode dispensar dias cinzentos e pesados.


            São essas horas que nos oportunizam a reflexão que talvez os dias de saúde não nos trariam.


            É nos momentos de dor que repensamos nossas atitudes e valores, readequando-os de maneira mais sensata e amadurecida.


            Porém, como na natureza, tudo passa. Dessa forma, à invernia das dores e dos tormentos, outro ciclo de possibilidades e realizações felizes se faz presente.


Novamente surgem os dias de primavera em nossa vida.


            Por isso, não podemos desanimar ou nos deixar levar por processos depressivos, mergulhando em tristezas profundas, perdendo as esperanças como se tudo fosse um doloroso fim.


            É apenas o ciclo da vida, que ora nessa ou naquela situação, nos dá a chance de crescimento necessário.


            Como Espíritos imortais que somos, a cada reencarnação, novos desafios são programados pela Bondade Divina, a fim de que aprendamos as Suas Leis de amor e justiça.


            Portanto, se hoje os dias nos são invernais, se os céus de nossa vida se mostram cinzentos e sombrios, roguemos ao Senhor da Vida que nos conceda força, bom ânimo. Alimentemos nossa fé na oração.


            Assim que as lições necessárias se concluirem, as flores da primavera serão nossa recompensa, perfumando nossos caminhos e tornando a nos falar das glórias e da Bondade Divinas.




Redação do Momento Espírita. Disponível em www.momento.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”