Pachelbel - Canon In D Major

sexta-feira, junho 14, 2013

Eu estou certo - Momento Espírita





Eu estou certo 



Por que queremos sempre ser os donos da verdade?



Por que nossas ideias precisam sempre prevalecer?



Será que precisamos vencer todas as discussões que travamos?



Dale Carnegie, escritor e orador americano, autor do best seller: Como fazer amigos e influenciar pessoas, narra uma experiência particular muito rica.


Conta ele:



Certa noite, estava num banquete dado em honra a um homem muito importante.



Durante esse banquete, um outro homem que estava sentado ao meu lado contou um caso que girava em torno da seguinte afirmativa: "Há uma Divindade que protege nossos objetivos, traçando-os como os desejamos."


Ele mencionou que tal frase era da Bíblia.


Enganara-se. Eu sabia disso. Sabia, e com toda a certeza. Não podia haver a menor dúvida a respeito.


E assim, para conseguir um ar de importância e demonstrar minha superioridade, tornei-me um importuno e intrometido encarregando-me de corrigi-lo.


Acionou suas baterias. "Quê? De Shakespeare? Impossível! Absurdo! Essa frase era da Bíblia." E ele conhecia.


O homem que narrava o caso estava sentado á minha direita, e o senhor Frank Gammond, meu velho amigo, à minha esquerda.


O Sr. Gammond havia dedicado anos ao estudo de Shakespeare. Assim, o narrador e eu concordamos em submeter a questão ao Sr. Gammond.


Este escutou, cutucou-me por baixo da mesa e disse: "Dale, você está errado. O cavalheiro tem razão, a frase é da Bíblia."


De volta para casa, disse ao Sr. Gammond: "Frank, eu sei que a frase é de Shakespeare."


"Sim, naturalmente", respondeu. "Hamlet, ato V, cena 2. Mas nós éramos convidados numa ocasião festiva, meu caro Dale.


Por que provar a um homem que ele estava errado? Isso iria fazer com que ele gostasse de você? Por que não evitar que ele ficasse envergonhado?


Não pediu sua opinião. Não a queria. Por que discutir com ele? Evite sempre um ângulo agudo."


O homem que me disse isso ensinou-me uma lição inesquecível. Eu não só tinha embaraçado aquele contador de estórias, como também o meu amigo.


Teria sido muito melhor se eu não tivesse sido argumentativo.


*   *   *


A necessidade de sermos aceitos num grupo, de mostrar o que sabemos, muitas vezes nos coloca em situações desagradáveis.


Somos descorteses e inconvenientes, querendo provar um ponto de vista com veemência, apenas para que todos percebam como eu estava certo.


Será que o mais importante nessas conversas é estar certo ou ser polido, fraterno com a outra pessoa?


Por que nossas ideias precisam sempre prevalecer?


Eis o orgulho disfarçado de sapiência, de eloquência, esquecendo que o amor nos faz querer ajudar o outro, em toda oportunidade, e nunca desmerecê-lo.


Pensemos sobre isso, e nas conversações lembremos de dar espaço ao outro, de procurar exaltar as qualidades do próximo, sendo polidos e amáveis em toda oportunidade.


A caridade tem mais nuances do que se pode imaginar...






Redação do Momento Espírita com base no cap. I, pt. III, do livro  Como fazer amigos e influenciar pessoas, de Dale Carnegie,  ed. Companhia Editora Nacional.Disponível em www.momento.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”