Pachelbel - Canon In D Major

quinta-feira, novembro 20, 2014

Convite ao Amor - Joanna de Ângelis






Convite ao Amor

Joanna de Ângelis



“Um novo mandamento vos dou: que vos ameia uns aos outros.” (João: capítulo 13º, versículo 34).


O amor é o estágio mais elevado do sentimento.


O homem somente atinge a plenitude quando ama. 

Enquanto anseia e busca ser amado, foge à responsabilidade de amar e padece infância emocional.


No contexto social da atualidade hodierna, todavia, a expressão amor sofre a desvalorização do seu significado para experimentar a decomposição do tormento sexual, que não passa de instinto em desgoverno.


Sem dúvida, o sexo amparado pelo amor caracteriza a superioridade do ser, facultando-lhe harmonia íntima e perfeito intercâmbio de vibrações e hormônios a benefício da existência.


Sexo sem amor, porém, representa regressão da inteligência às formas primeiras do desejo infrene, com o comprometimento das aspirações elevadas em detrimento de si mesmo e dos outros.


Por essa razão, vige em todos os departamentos do Cosmo a mensagem do amor.


Na perfeita identificação das almas o amor produz a bênção da felicidade em regime de paz.


Nem sempre, porém, se encontrará no ser amado a recíproca. 


Importa, o que é essencial, amar, sem solicitação.


De todos os construtores do pensamento universal, o amor recebeu a contribuição valiosa de urgência. 

Isto, porque Deus, Nosso Pai, é a mais alta manifestação do amor.


E Jesus, padronizando as necessidades humanas quanto solucionando-as, sintetizou-as no amor, como única diretriz segura por meio da qual se pode lograr a meta que todos perseguimos nas sucessivas existências.


* * *


Se, todavia, sentes aridez íntima e sombras carregadas de desencantos obnubilam as tuas aspirações, inicia o exercício do amor, entre os que sofrem, através da gentileza, passando do estágio da amizade. 


Descobrirás, depois, a realidade do amor em blandícia de tranqüilidade no país do teu espírito.


Se por acaso o céu dos teus sorrisos está com as estrelas da alegria apagadas, ama, assim mesmo, e clarificarás outros corações que jazem em noites mais sombrias, percebendo que todo aquele que irradia luz e calor, aquece-se e ilumina-se, permanecendo feliz em qualquer circunstância.


Haja, pois, o que haja, ama.


Em plena cruz, não obstante o desprezo e a traição, o azorrague e a dor total, Jesus prosseguiu amando e até hoje, fiel ao postulado que elaborou como base do Seu ministério, continua amando-nos sem cansaço.



FRANCO, Divaldo Pereira pelo Espírito Joanna de Angelis. Convites da vida, Cap. 2, p 3-4, 1972.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”