Pachelbel - Canon In D Major

sábado, abril 11, 2015

Guardemos o Cuidado - Emmanuel





Guardemos o Cuidado

 Emmanuel


... mas nada é puro para  os contaminados e  infiéis  (Paulo. Tito, 1:15).



O homem enxerga sempre, através da visão interior.


Com as cores que usa por dentro, julga os aspectos de fora.


Pelo que sente, examina os sentimentos alheios.


Na conduta dos outros, supõe encontrar os meios e fins das ações que lhe são peculiares.


Daí, o imperativo de grande vigilância para que a nossa consciência não se contamine pelo mal.


Quando a sombra vagueia em nossa mente, não vislumbramos senão sombras em toda parte.


Junto das manifestações do amor mais puro, imaginamos alucinações carnais.


Se encontramos um companheiro trajado com louvável ap uro, pensamos em vaidade.


Ante o amigo chamado a carreira pública, mentalizamos a tirania política.


Se o vizinho sabe economizar com perfeito aproveitamento da oportunidade, fixamo-lo com desconfiança e costumamos tecer longas reflexões em torno de apropriações indébitas.


Quando ouvimos um amigo na defesa justa, usando a energia que lhe compete, relegamo-lo, de imediato, à categoria dos intratáveis.


Quando a treva se estende, na intimidade de nossa vida, deploráveis alterações nos atingem os pensamentos.


Virtudes, nessas circunstâncias, jamais são vistas.


Os males, contudo, sobram sempre.


Os mais largos gestos de bênção recebem lastimáveis interpretações.


Guardemos cuidado toda vez que formos visitados pela inveja, pelo ciúme, pela suspeita ou pela maledicência.


Casos intrincados existem nos quais o silêncio é o remédio bendito e eficaz, porque, sem dúvida, cada espírito observa o caminho ou o c aminheiro, segundo a visão clara ou escura de que dispõe.





XAVIER, Francisco Candido pelo Espírito Emmanuel. Da obra: Fonte Viva. 21a ed. Cap 34. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1997.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”