Pachelbel - Canon In D Major

quinta-feira, setembro 15, 2016

4 . Liberação - Joanna de Ângelis


A força divina perpassa pela minha mente e meu corpo.


 Renasci em situação penosa para treinamento da evolução.


As pessoas são conforme se comprazem, mas, eu sou uma busca perene de harmonia.


O mal que me fizeram, tornarei um bem para mim. Não era intenção d’Eles estigmatizarem-me.


Sucede que, a seu turno, foram vítimas e não sabiam fazer melhor. Assim, eu os amo e serei livre para conquistar as metas da perfeição.








4 .  Liberação

Joanna de Ângelis



As cargas mentais negativas possuem a nefasta força de desorganizar as engrenagens psicológicas e físicas do ser.


Acostumando-se-lhes, será necessário ingente esforço para destrinçá-las nos sutis emaranhados dos campos de energia geradora da vida.


Recordações desagradáveis, pensamentos perturbadores, ideias viciosas, frases deprimentes do ontem, ressumam como necessidades de queixas, ressentimentos guardados, iras conservadas, depreciação de si mesmo, desamor, num conjunto de ingredientes destrutivos, que terminam por desorganizar o ser que se lhes permite vitimar.


Não se pode evitar o haver nascido em um lar agressivo, entre pessoas hostis, sob injunções sócio morais e econômicas penosas.


Tal acontecimento faz parte do passado e a lamentação somente complica-o, ao invés de eliminá-lo.


Submeter-se às reminiscências deploráveis torna-se uma forma de infeliz masoquismo, que vitaliza o que não se tem como eliminar, embora os recursos de que se dispõe para sobrepô-las e esquecê-las.


Toda vez que alguém se apoia à autocompaixão diante do insucesso da existência planetária, acomoda-se ao sucedido e preserva-o por conformismo. 


Faz-se, então, inadiável, a decisão para ser feliz, revertendo o ocorrido.


A reencarnação conduziu-te a um lar que consideras inadequado para o teu progresso, e que te faz sofrer.


Talvez, tu mesmo o hajas elegido para adaptar-te desde cedo ao processo reparador.


Cada um se vincula aos seres de que necessita para a evolução. 


Permanecer, porém, ergastulado a esses eventos afligentes é atitude acomodatícia com o negativo e perturbador, quando dispões de valiosos meios para a libertação.


Problemas existem, para serem solucionados.


Dificuldades são testes para desafiar os valores latentes do conhecimento, da capacidade de luta de cada um.


Se preferes a auto piedade, ninguém te poderá ajudar.


O ressentimento, o medo, a queixa, a reclamação do passado, mais te farão dependente do acontecido, no qual inconscientemente te apoias a fim de não lutares pela restauração da paz, e o logro da alegria.


Não podes, nem deves incorporar à existência os vaticínios danosos que te fizeram, as expressões chulas que te dirigiram, as frases deprimentes que te endereçaram, as agressões verbais, morais e físicas de que foste vítima. Isso já passou e não tens como fazer, para que não houvessem sucedido.


 Desviar-lhes, porém, os efeitos daninhos, sim, cabe-te realizá-lo.


Sabes que não és o que te acusaram. 


Mas, se por infortúnio da tua fragilidade psicológica, incorporaste à personalidade as investidas aleivosas e te crês conforme te definiram, rompe as algemas e ensaia a tua libertação.


És uma gema bruta por lapidar.


Se, exteriormente, a ganga é impura, tens no íntimo o brilho das estrelas, que te cumpre liberar.


Começa agora o novo processo da tua vida.


Dá-te a oportunidade de provar a ti mesmo quanto possuis, e conseguirás produzir.


Experimenta o prazer de construir o teu futuro e, de pronto, começarás a ser uma pessoa ditosa.



FRANCO, Divaldo Pereira pelo espírito Joanna de Ângelis. Momentos de saúde. Cap.6 ,1992, p.06.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

“Deixe aqui um comentário”